To apaixonada por esse livro pessoal, a cada capitulo eu fico querendo mais e mais... Rodrigo já me conquistou, seu irmão então srrs 

Vou para de falar para vocês lerem srrs E não esquece de comentar, que vai ter promoção no final ^^
 Capitulo 4 

 Diana e Nicole viajaram a Curitiba na segunda quinzena de dezembro, onde penaram em três dias de vestibular na Universidade Federal do Paraná. Na mesma proporção em que Diana vibrava no final do dia, ao comparar suas respostas com o gabarito oficial, Nicole desanimava, sabendo que dificilmente acompanharia a amiga no sonho de estudar fora de casa e longe dos olhares dos pais.
     No sábado Diana voltou a Pato Branco e tentou ligar para Rodrigo, não obtendo sucesso. À noite seus pais a levaram junto com Nicole para um jantar de comemoração ao bom desempenho da filha, que escolheu o restaurante mais badalado da cidade. Não era o melhor lugar para uma refeição, mas sim para ver e ser visto.
     Depois de muita espera para conseguir uma mesa, optaram por um singelo Filé a Parmegiana com arroz e fritas – Nicole abriu uma exceção às frituras em homenagem a amiga - e Marcelo, sob o olhar contrariado da esposa, autorizou que elas bebessem uma taça de vinho tinto.
     Depois do jantar, Diana convidou Nicole para irem ao banheiro - a senha para circularem. Mal haviam caminhado alguns metros no restaurante lotado, quando se depararam com Roger, Cesar e Rodrigo.
     - O trio sedução. – cumprimentou-os Nicole.
    - As mulheres que faltavam. – retribuiu Roger dando um beijo no rosto de cada uma – Estou caindo fora. – sem delongas ele se virou e foi na direção dos músicos que faziam um show improvisado.
     - Oi. – cumprimentou Diana sem se aproximar de Rodrigo – Tentei ligar pra você hoje.
     - Meus pais me colocaram para trabalhar no mercado. Eles não sabem o que significa férias.
     - Imaginei.
     Ele se aproximou.
     - Se me der um beijo, quem sabe posso perdoá-la por ter me feito esperar a semana inteira por você.
     Com a mão, ela impôs uma distancia segura entre eles.
     - Meus pais estão aqui.
     - Ah! Mais interessante.
     - É serio! Viemos comemorar o fato de que, segundo o gabarito, estou praticamente dentro da Federal. – ela comentou presunçosa.
     - Parabéns!
     - Obrigada.
     - Consegui uma mesa. – anunciou Cesar.
     - Vamos? – Rodrigo perguntou a Diana.
     - Não sei. Meus pais...
   - Ah, só um pouquinho. – pediu Nicole – Seus pais devem estar aproveitando nossa ausência pra namorar.
     Diana aceitou que aquilo podia ser possível e cedeu a tentação de ficar ao lado de Rodrigo. Depois de sentados ele segurou discretamente sua mão por debaixo da mesa.
     - Com você morando em Curitiba, vai ser mais fácil no vermos.
     - Não adianta implorar. Não vou morar com você.
     - Há, há. – Rodrigo riu sem vontade, mas estragou o efeito ao se abaixar e morder levemente o pescoço de Diana, que não conseguiu conter o arrepio de prazer que percorreu sua pele.
     Alguns minutos depois ela ergueu os olhos e deparou-se com seus pais parados ao lado da mesa. Ficou momentaneamente sem ação: havia esquecido da presença deles no restaurante.
     - Ah... Oi...
     - Estamos indo embora. – anunciou Marcelo comedido.
     - Já? – Nicole não escondeu sua decepção, apesar de não ter a obrigação de acompanha-los.
     - Posso ficar mais um pouco? – Diana dirigiu a pergunta ao pai, uma vez que a mãe estava com cara de poucos amigos.
     - E como irá embora?
     - Eu a levo. – afirmou Rodrigo seguro, enquanto se levantava e estendia a mão para Marcelo – Rodrigo Massignan.
     Marcelo retribuiu o cumprimento surpreso.
     - Tudo bem. Às duas horas no máximo.
     - Há uma hora no máximo. – sentenciou Berenice.
     - Mas, mãe. Já é meia-noite.
    - Sem discussão, Diana. – Berenice lançou um olhar direto a Rodrigo, deixando claro que desconfiava das intenções dele – A uma.
     Todos mantiveram silencio até que Marcelo e Berenice estivessem fora das vistas deles.
     - Muito prazer. – disse Cesar numa clara imitação da voz rouca de Rodrigo - Rodrigo Massignan.
     Ele e Nicole riram deliciados e Diana mordeu a língua para não rir alto também.
     Rodrigo não deu atenção a eles, se limitando a conferir o relógio.
    - Já que temos menos de uma hora, não estou disposta a passá-la com dois imbecis. – anunciou a Nicole e Cesar, enquanto se levantava e estendia a mão para Diana – Vamos?
   - Aonde? – ela perguntou por mero reflexo, pois já havia aceitado a mão dele e se levantava para acompanhá-lo.
     - Dar uma volta.
     Rodrigo a conduziu a um Astra preto.
     - Carro novo?
     - Da minha mãe. Roger cansou de dividir o dele.
     - Não está na hora de ter o seu?
     - Eu tinha. Vendi para investir em equipamentos de som.
     - Então a história de cantar é mais seria do que eu imaginava?
    - Com certeza. Já tenho um verdadeiro estúdio montado em Curitiba. Quem sabe eu e Roger não ficamos famosos um dia?
     - Compro um CD para ajudá-los.
     Ele sorriu e segurou a mão dela enquanto dirigia. Parou o carro no estacionamento de um mirante com vista panorâmica da cidade, conhecido desde os tempos dos avós deles como excelente local pra namorar.
     Em poucos minutos a temperatura dentro do carro aumentou. Como Diana havia imaginado - e desejado - as mãos experientes de Rodrigo fizeram-na deixa-lo ir mais além do que qualquer outro. 
     E quando ela, num sussurro ofegante, lhe lembrou que precisava ir embora, Rodrigo se consolou com o fato de que eles teriam tempo. Muito tempo pela frente.

4 Comentários

  1. A cada capítulo fico mais curiosa. ai ai

    Um leve bater de asas para todos!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. As coisas começarem a pegar fogo.kkkkkkkkkkkk
    bjs

    ResponderExcluir
  3. dificil achar esse livro, na cultura tem, mas demora pra caramba pra chegar. a editora deveria mandar mais livros da autora pra gente conhecer, sabe fazer uma certa publicidadezinha como a carina rissi, autora de perdida, outro livro fantastico.
    espero compra-lo em breve, ja me deixou curiosa.

    ResponderExcluir
  4. Ai (suspiros)
    Esse capítulo, por mencionar mirante me fez lembrar da época em que existia romance na minha vida...
    Adorei!!!

    Curiosidade mata?

    Beijos
    Chrys

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.