Bom dia queridos leitores do Acordei com Vontade de Ler! Hoje no divã temos a autora do livro "Mal intencionados" Geyme Lechner Mannes, então vamos conhecê-la!

Geyme Lechner Mannes é natural de Florianópolis, Brasil. Estudou Filosofia na UNR em Rosário, na Argentina e Administração em Santa Catarina. Ganhou vários concursos literários nacionais e internacionais. Atualmente, vive na Alemanha e se dedica exclusivamente  à literatura. É autora dos romances:
Anjos em pecado, que ganhou o apoio à tradução da Biblioteca Nacional em 2012 ao alemão e será publicado ainda esse ano por editora austríaca.
Mal intencionados publicado em 2012.
Diário de um amoral será sua próxima obra (satírica), também para 2012.


Para saber mais sobre a autora, acesse: www.geyme.com  

Sinopse de Mal Intencionados - "O que uma mulher é capaz de fazer quando é abandonada pelo homem que ama?  Pode uma criança ser inocente e vilã ao mesmo tempo?                     
Qual a capacidade de um homem preconceituoso e intolerante para  infligir o mal?                    
O que há por trás das intenções de cada pessoa, em seus sorrisos e palavras?"

Mal Intencionados transporta o leitor a duas histórias paralelas no tempo: ao passado de Ana em 1989 e ao presente de Tomás, seu filho, em 2004.

Mãe e filho, vítimas das próprias emoções extrapoladas, que em momentos se confundem com amor, outros, com ciúmes, insegurança e obsessão, protagonizam a trama encontrada aqui. Ana é uma mulher que comete todo tipo de eloquência quando é abandonada pelo marido: álcool, vexames e humilhações, na vã esperança de resgatá-lo novamente ao lar. Tomás supre o desmensurado amor materno quando conhece Maria Molambo: a garota da cicatriz, a deusa de cabelos vermelhos, cinco anos mais velha que ele. O garoto tem apenas 13 anos quando fica a mercê de um pederasta, um homem perigoso com quem terá que conviver (e enfrentar) se quiser sair ileso dessa história.  Ambientado em Londrina, Mal intencionados arranca as máscaras dos personagens e deixa a loucura que habita em cada um deles, despida de quaisquer pudores. O que há por trás da máscara que cada um de nós usa? Conflitos e dilemas... O ser humano é movido por “razões” que muitas vezes, só a loucura explica e reconhece.

 Se falamos às claras somos insensíveis, se não falamos por consideração à pessoa, somos omissos. De qualquer forma, o resultado é ruim; quando não queremos mais estar com alguém que nos ama, terminamos sendo um maldito filho da puta. pág. 171
 Conflitos internos… Somos ou não nosso maior inimigo? Padecemos pelo poder empregado às nossas crenças, desconhecemos nossa capacidade para a violência.
 precisa ver a cara desses granfinos quando têm um cano na boca. Só falta cagarem nas calças! Não existe desigualdade quando a gente enfia o cano na cabeça de um engravatado. Nessas horas, somos todos iguais, a gente e eles, sacou o lance? Tudo igual, só na moral, sem preconceito! pág. 137
O convencionalismo da sociedade em pauta:
 O preconceito é uma praga que nenhum professor ensina, qualquer um pode aprendê-lo sozinho. Mas você já viu, por exemplo, alguém ser médico sem ter frequentado uma boa universidade? Não, né? A educação boa custa caro, mas a merda vem de graça!  pág.243
 Para um romance em tempos de violência, qualquer semelhança com a vida real, não é mera coincidência.

Oi Geyme tudo bem?
Geyme - "Tudo ótimo!"

Como surgiu a autora Geyme Lechner? Ser autora é algo que você deseja desde pequena?
Geyme - "A Geyme Lechner (escritora) surgiu do acaso, quando já estava longe do Brasil. Eu sempre gostei muito de escrever, mas nunca pensei em utilizar da “escrita” como profissão, tanto que iniciei vários cursos em faculdades e universidades, mas nunca na área de jornalismo ou letras... Ser escritora, foi quase um acidente, rsr Acho que esse foi o motivo de ter iniciado tantos cursos, sem nunca ter terminado algum, nenhum deles me satisfazia por completo ou me realizava em termos de profissão".

E a família, como entra nessa equação? Você teve muito apoio?
Geyme -"Nenhum, rsrs. A família só me serviu de alguns fatos, para escrever sobre desavenças e problemas, comum (ou não) em várias lares". 

Na sua biografia, diz que você vive na Alemanha. Qual é a sensação de ter o seu livro publicado aqui no Brasil?
Geyme - "O meu primeiro livro, publicado com uma editora sob demanda, ficou apenas seis meses no Brasil. Logo, fechei contrato com uma editora austríaca para o mesmo livro, e a obra segue em processo de reedição, com planos de voltar ao mercado brasileiro até o final desse ano. Meu segundo livro também foi publicado com uma editora sob demanda (pois pensava em publica-lo aí e apresenta-lo aqui, para editoras grandes), mas o resultado foi uma catástrofe! A editora que o publicou no Brasil não é profissional como alega em seu slogan, não cumpriu com nada do acordado e só me deu problemas! Esse foi um dos maiores problemas de ter assinado um contrato de longe, sem conhecer o serviço editorial que contratei. Outra questão é estar longe dos leitores, não participar de feiras nacionais... Tenho saudades disso!"

Lendo a sua biografia, percebi que você tem contato com diversas culturas. Como isso ajuda a você no processo criativo?
Geyme - "Essa foi uma bagagem impagável para a produção do meu terceiro livro. Se não tivesse vivido fora tanto tempo, em dois países distintos, não poderia tê-lo escrito jamais, rsr A vivência no exterior engrandece demais a própria cultura, e com a ferramenta da escrita, podemos levar a outras pessoas o que vemos, aprendemos e experimentamos mundo afora".

Quem são os seus autores (ou autoras) favoritos?
Geyme -"Tenho alguns autores que vivem no meu coração: Sidney Sheldon, Ruiz Zafón, Gabriel García Marquez, Rubem Fonseca, Saramago, Isabel Allende, Ken Follett, Khaled Hosseini. E livros de alguns, que tampouco esquecerei: Lolita de Nabokov, “El canalla sentimental” de Jaime Bayli, A insustentável leveza do ser, de Milan Kundera..."

Fale um pouco sobre o seu romance “Anjos em Pecado”. Ele será publicado aqui no Brasil?
Geyme - "“Anjos em pecado” é o novo título que recebeu o antigo “Meninas bonitas não são para casar” (minha primeira publicação no Brasil). O livro recebeu novo final, terá nova capa e novo nome... Essa obra ganhou o apoio à tradução da BN, e voltará ainda esse ano ao mercado brasileiro; e até março do ano que vem, estará traduzido ao alemão. É um romance forte, ambientado no Brasil, com mulheres decididas (e malvadas, rsr), capazes de qualquer ato, para alcançarem seus objetivos".

A sinopse de “Mal intencionados” é totalmente intrigante. O que você pode nos falar desse livro e dos seus personagens?
Geyme - "Uma vez alguém me disse que há escritores que escrevem histórias, e outros, que escrevem pessoas. Eu me enquadro na segunda categoria. Gosto de revelar os pensamentos mais íntimos e autênticos dos personagens (sem mascará-los ou dividi-los entre bons e maus), com tramas reais sobre o mais feio e obscuro que fica escondido na mente das pessoas, sejam em intenções, pensamentos ou atos. Em Mal intencionados quis trazer tudo isso à tona, com personagens autênticos aos da vida real, que cometem loucuras também reais, seja por amor, por insegurança, por demência... Através de comportamentos politicamente incorretos, antiéticos e desleais, mas que no entanto, acontecem em cada esquina (nas melhores e piores famílias) essa obra ganhou vida para mostrar que o ser humano é “perigoso”".

Algum dos personagens teve uma inspiração pessoal?
Geyme - "Todos, e ao mesmo tempo, nenhum! Gosto de me inspirar no comportamento social, de observar as pessoas isoladamente e dentro de um todo, mas confesso que tenho uma queda pela loucura humana e gosto de escrever sobre ela, rsr"

Fale um pouco do seu trajeto até agora. Foi difícil publicar os seus livros, tanto aqui no Brasil como no exterior?
Geyme - "Trabalho diretamente e exclusivamente com literatura faz três anos, embora tenha começado a escrever faz mais dez. Acho que é a profissão mais difícil e fechada que já vi! Um escritor tem que desembolsar algum capital para ver sua obra no mercado, e lamentavelmente, nem todos têm essas condições. Também é necessário tempo para escrever, divulgar, estar em contato com leitores, outros escritores, editoras, participar de eventos, feiras... Ademais de tempo, tudo isso requer dinheiro, e para a grande maioria dos escritores, “tempo e dinheiro” são substantivos de luxo! Estar na Alemanha e poder participar de feiras internacionais,  estabelecer outros tipos de contatos, abriu  algumas portas..."

“Diário de um amoral” é o seu próximo projeto. Ele será lançado por aqui? Qual é a história dele?
Geyme - "Diário de um amoral é a soma dos conhecimentos que obtive, vivendo no exterior. É uma obra satírica, onde o protagonista é um ex-jogador do Bayern de Munique, egocêntrico e autodestrutivo, sarcástico e infiel, que escreve em primeira pessoa, contando sobre suas relações frustradas, a invasão da mídia em sua vida, o ridículo da vaidade que o cerca...  Já estou em contato com uma editora alemã que se interessou pelo material. Em forma física, o livro demorará um pouco a chegar aí, mas o E-Book, com certeza, estará disponível e breve".

O que podemos esperar de Geyme Lechner Mannes no futuro?
Geyme - "O futuro é uma incógnita para mim, sequer sei o que jantarei hoje, rsr"

Gostaria de deixar uma mensagem para os leitores do Acordei com Vontade de Ler?
Geyme - "Agradeço por essa entrevista tão bacana e desejo muito sucesso para o “Acordei com vontade de ler”! Espero que o Blog possa trazer mais escritores e livros ao alcance de vários leitores! Deixo um beijo grande para o pessoal que acompanha esse espaço tão bacana, e outro para a Carol e toda a equipe; foi um prazer estar aqui!"

Estou postando também o book trailer para os curiosos (Eu já fui assistir rs).
O que vocês acharam? Eu adorei conversar com a autora, um amor de pessoa, super simpática e sempre de alto astral...
Na próxima semana tem mais!
Beijos

5 Comentários

  1. Olá,td bem?
    Já tinha ouvido falar no livro.
    Curti o divã,e a capa do livro tá bem interessante :D

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a entrevista! Acompanho o trabalho da Geyme Lechner faz algum tempinho, ela escreve de forma muito sensata, sobre temas delicados e difíceis de manipular, mas ela o faz com louvor.
    Parabéns pela grande parceria, sucesso!
    Meu abraço!

    ResponderExcluir
  3. Adorei conhecer um pouco mais da Geyme. Li alguns elogios ao livro e assim que tiver oportunidade irei conferir essa estória.

    Um leve bater de asas para todos!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Ótima entrevista,esse livro deve ser bem forte.
    Fiquei interessada nele.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Já havia percebido que ela é bem sarcástica e engraçada! Amei a entrevista, mas não consigo me interessar pelo livro da autora.

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.