Bom dia Leitores do Acordei com Vontade de Ler. Hoje trago a vocês o autor Al Gomes e a sua obra "O Ceifeiro"!

Sinopse: "Acordar nos braços de um anjo seria a última coisa que Duda Vasques teria pensado quando tentou se suicidar. No entanto, foi exatamente isso que aconteceu. O anjo Ariel, que se apresenta como sendo o seu suposto Ceifeiro – após recuperar sua memória –, a leva através de uma jornada por lugares do além-vida como a Geena e o Hades.Porém, quando a alma de Duda desaparece misteriosamente antes que cheguem a Cidade dos Suicidas, Ariel terá que correr contra o tempo para encontrá-la, antes que Seth, seu General Celeste, descubra que ele perdeu a conexão com aquela cuja alma ele deveria ceifar. Enquanto isso, refém de entidades sombrias que se alimentam da energia produzida por seus sonhos, a alma de Duda ameaça cruzar a frágil linha que separa os sonhos da realidade. Conseguirá ela escapar e voltar para o seu corpo físico? Ou sua consciência se perderá para sempre no Mundo dos Sonhos? Um lugar onde realidade e fantasia se misturam e nada é o que parece ser".
BiografiaA. G. Nascimento é natural de Alagoas, tem 37 anos e é formado em magistério. Em 1997 mudou-se para São Paulo onde vive e trabalha como Suporte Técnico há dez anos. Adora ouvir música, preferencialmente da década de 80 e 90, ler e escrever, sempre acompanhado de uma boa xícara de café. Seu primeiro livro, O Ceifeiro, é um romance sobrenatural voltado para jovens e adultos.
Oi Al, tudo bem com você?
Al - "Tudo ótimo, graças a Deus".

Quando que surgiu o sonho de se tornar autor?
Al - "Acho que desde sempre. Pois já na época do colégio eu gostava de escrever histórias para os meus amigos lerem em cadernos, e eles adoravam, era muito gostoso. Foi uma época muito divertida da minha vida, e até hoje o pessoal ainda vai à casa da minha mãe procurar por esses cadernos. Rss".

Conte-nos um pouco mais sobre você.
Al - "Eu sou uma pessoa relativamente simples e fácil de lidar, como diria um amigo meu. Rsss. Adoro ler bastante e escrever – lógico –, gosto muito da música dos anos oitenta e noventa, acho simplesmente perfeita. Enquanto escrevo, adoro ficar tomando café, com certeza, ajudar a liberar a imaginação e me manter acordado pelas madrugadas a fora. Rss".

Como surgiu a ideia de escrever o livro “O Ceifeiro”. Pelo que pude ver na sinopse, o livro aborda o sobrenatural, mas também tem um tema forte, o suicídio. De onde veio a inspiração?
Al - "O ano em que escrevi O Ceifeiro foi muito pesaroso para mim. Eu tinha perdido o meu emprego há pouco tempo e estava um pouco deprimido. Mas, o pior estava por vir, pois alguns meses depois eu acabei perdendo também a minha mãe. Então, concentrar-me na escrita desse livro foi a minha salvação, acho. Ajudava a manter a mente ocupada e a se distanciar de tudo, enquanto eu navegava por outros mares, outros universos algures do nosso. Voltando a pergunta, a história do livro vinha há algum tempo já martelando em minha cabeça e exigindo ser contada. Primeiro, eu achei que seria apenas um conto, mas então, quando comecei a escrevê-la, foram surgindo mais e mais ideias novas e eu as escrevi todas. Em seguida, fui conectando e amarrando todas à trama principal, e assim surgiu o livro".

Teve algum autor (a) em especial que inspirou você a escrever esse livro?
Al - "Não apenas um. Eu, na verdade, acredito que a gente acaba acumulando um pouco das técnicas de escrita de todos os escritores que gostamos. Nosso cérebro vai aprendendo com cada livro que a gente lê. É muito interessante e gratificante todo esse processo".

O que os leitores podem esperar do livro “O Ceifeiro”? Fale um pouco dos seus personagens.
Al - "A história pode parecer pesada em alguns momentos, devido à depressão da personagem principal: a modelo Duda Vasques. Mas, as cenas em que ela interage com a mãe ajudam a contrabalancear as coisas, a dar uma leveza nos momentos certos. A Duda é modelo, como já citei acima, e é um pouco mimada e dependente. Não lida muito bem com certas situações e rejeição, como o fato de ser demitida da agência em que trabalha por estar muito abaixo do peso. Mas a perda do namorado é o que a leva a um estado de profunda depressão sendo também o motivo dela tentar se suicidar.
Do outro lado, temos o misterioso anjo Ariel. Quando Duda o conhece, ela não consegue entender porque ele age de forma tão fria e distante para com ela. Mas, a verdade é que Ariel é um Ceifeiro, um anjo pertencente a uma casta celestial encarregada por Deus de coletar as almas dos mortais e conduzi-las ao Hades: a Sepultura Comum da Humanidade. E consolar, não está entre as atribuições deles. Falar mais que isso, já seria Spoiler. Rsss".

Conte-nos um pouco sobre a sua experiência com a publicação do livro.
Al - "Após o término da escrita e um sem número de revisões – corta aqui, reescreve ali –, resolvi enviar paras as Editoras. Algumas prometiam responder em três meses, outras diziam que apenas responderiam aos autores que tivessem seus originais aprovados para publicação. Então fiquei ansiosamente no aguardo de que alguma delas respondesse. E, passado algum tempo, veio a primeira resposta. A Novo Século se interessou pelo meu manuscrito, mas a proposta que me fizeram era inviável e eu decidi não publicar com eles. Por fim, a Dracaena me procurou, e depois de uma conversa com o editor, acabei fechando com eles".

Quais conselhos você daria aos futuros autores, que ainda não publicaram o livro?
Al - "Que tudo tem uma hora e o momento certo de acontecer. Então não adianta ter pressa, pois para se chegar a algum lugar, naturalmente é preciso que se percorra uma distância até lá. E assim sendo, se você não desistir e continuar andando, por mais demorada que seja sua jornada, uma hora ela inevitavelmente chegará ao fim".

O que os leitores podem esperar de Al Gomes no futuro? Existe algum projeto em andamento?
Al - "Eu tenho vários projetos na gaveta que gostaria de dar andamento. Alguns relacionados ao universo do Ceifeiro e outros inteiramente inéditos. No momento estou escrevendo um livro que contará com um mix de criaturas sobrenaturais como Vampiros, Súcubos, Lobisomens e bruxas. A história transcorre em duas linhas de tempos diferentes, passado e presente, mas que se conectam de alguma forma no decorrer da trama".

Qual é a sua citação favorita?
Al - "Não sei se tenho uma favorita, mas tem uma que acho que define bem nosso trabalho como escritor e também como pessoa, por que não? Rss.
"Nós somos o que fazemos repetidas vezes. Portanto, a excelência não é um ato, mas um hábito." Aristóteles".

Você gostaria de deixar um recado para os leitores do blog Acordei com Vontade de Ler?
Al - "Em meu nome e dos demais colegas escritores nacionais, gostaria de pedir que as pessoas olhem com mais carinho para nossa literatura nacional. O mercado está amadurecendo, e aos poucos, surgindo escritores de grande talento e que estão conquistando seu público. Mas fico pensando naquela parcela que ainda não teve oportunidade de aparecer e cujo talento corre o risco de ser desperdiçado para sempre".


Pessoal, espero que tenham gostado da entrevista! Na próxima semana, eu trago outro autor "No Divã do Acordei".
Beijos


6 Comentários

  1. Oi Carolina!
    Gostei bastante da entrevista com o Al. É sempre muito legal conhecer um pouco do autor e ele parece ser muito simpático!
    Estou encantada pela sinopse de O ceifeiro, é bem o estilo de livro que me prende.
    Sucesso para o autor! :)E para o blog também!
    beijos ;*
    http://coisasdemeninasarteiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Um livro diferente, um tema interessante e parece bem envolvente!
    Gostei da entrevista, de conhecer esse autor tão criativo, terei eu a oportunidade de ler a obra? Creio que sim! ^^
    Já está na minha lista de desejados.
    Parabéns pela entrevista!
    Bjo
    Ni
    @ciadoleitor

    ResponderExcluir
  3. ja tinha ouvido falar do livro,mas muito pouco de seu autor, por isso esse divão pra mim foi um dos mais legais :)

    ResponderExcluir
  4. Adorei a entrevista, parabéns ao autor e ao blog. Fui uma das primeiras a ter o privilégio de ler "O Ceifeiro", sendo amiga e colega de editora do Al Gomes e super recomendo o livro dele!

    elainevelasco.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oie! Adorei o divã Ká! Conheço o Al e torço muito por seu trabalho. Ainda não tive oportunidade de ler O Ceifeiro, mas o meu exemplar já está reservado!
    Beeeeijos e sucesso amigo!
    Lilo
    Redenção

    ResponderExcluir
  6. Nunca ouvi falar desse livro, mas achei bem interessante, gostei muito da entrevista, parabéns!

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.