Bom dia leitores do Acordei com Vontade de Ler! Vamos conferir mais uma entrevista aqui no blog?



Leonardo Barros é médico formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. É autor do romance erótico “Amor de Yoni” (publicado em 2008); do suspense policial “O Maníaco do Circo – e o menino que tinha medo de palhaços” (publicado na XIV Bienal do Livro Rio, em 2009); da comédia “Saúde, Beleza, Prosperidade e Riqueza” (publicação independente, 2010) e da comédia “Solteiro Em Trinta Dias - Receitas de sucesso de um ex-otário” (publicado em 2011).
“Presságio – O assassinato da Freira Nua” é sua quinta ficção e seu segundo suspense policial.
Para contatar o autor deste livro envie um e-mail para leobarrosescritor@gmail.com, siga-o no Twitter: @LeoEscritor ou adicione-o no Facebook: facebook.com/leobarrosescritor.


Presságio - Leonardo Barros - 224 páginas - Novo Século 

Sinopse - "Alice tem 26 anos e, desde a adolescência, é atormentada por presságios. Desacreditada por psiquiatras, ela é considerada psicótica, até que uma de suas visões a possibilita desvendar um misterioso homicídio. A polícia atribui a autoria do crime ao Beato Judas, um assassino serial de freiras, mas a descrição do suspeito não se parece em nada com o homem que ela viu em sua premonição. Agora, Alice terá de correr contra o tempo para provar que não é louca e para evitar que o assassino faça uma nova vítima. Suspense, misticismo e sensualidade se misturam neste fantástico thriller policial que parece ter a capacidade sobrenatural de manter seus leitores alucinados da primeira à última página".

Oi, Leonardo, tudo bem?

       Fale um pouco sobre você.
     Leonardo -  "Sou um médico anestesista que cedeu ao chamado da literatura. Que decidiu escrever, em 2008, um pequeno e despretensioso romance e se surpreendeu com a reação apaixonada dos primeiros leitores.
      Desde criança sou louco por ficção. Livros, quadrinhos, filmes e jogos eletrônicos sempre me fascinaram. Perceber que tinha a capacidade de encantar os leitores foi que me incentivou a continuar escrevendo. Hoje dedico às duas atividades, à medicina e à literatura, o mesmo grau de atenção e emprenho".

       Existe algum autor que serve de inspiração para você?
 Leonardo -  "Os gêneros que mais gosto de ler são suspense e literatura fantástica, mas procuro ser receptivo a outros tipos de leitura. O que realmente me atrai é uma boa sinopse. Acho que o escritor tem de ler um pouco de tudo.
Quanto aos autores que admiro, fica difícil escolher um apenas. Vou tentar organizá-los em categorias.
Autores brasileiros:
Antigos – Sou apaixonado pelos livros do Nelson Rodrigues. Seu ponto forte é a construção narrativa dramática. Gosto também de Jorge Amado e Luís Fernando Veríssimo.
Novos – Sou fã do Eduardo Spohr e digo, sem dúvida alguma, que A Batalha do Apocalipse é um dos melhores livros que já li. O André Vianco e o Raphael Draccon me impressionam pela criatividade.
Autores estrangeiros:
Anne Rice, Stephen King, Giorgio Falleti, Carlos Ruiz Zafón e Stieg Larson são, para mim, fantásticos no sentido pleno da palavra".

      Como teve início a sua carreira de escritor?
 Leonardo -  "Em janeiro de 2008, tive a ideia de escrever um romance baseado em histórias picantes que eu ouvia dos amigos. Mas este foi apenas o mote inicial de Amor de Yoni. O livro despretensioso acabou criando nos leitores um furor que me chamou a atenção: percebi que tinha a capacidade de fascinar os leitores e mantê-los presos ao livro. Resolvi estudar e me aprimorar na escrita de romances. E parece que tem dado certo".

       O que sua família acha de ter um escritor em casa?
  Leonardo - "Francisco Barros, meu pai, é escritor. Tem cinco livros publicados regionalmente. Então, sou o segundo escritor da casa. Mas o fato de ter lançado um livro com distribuição nacional e o número imenso de boas críticas a respeito do Presságio parecem ter deixado o pai orgulhoso do filho".

      Os seus livros fazem parte de diversos gêneros literários. Fale um pouco do seu  processo criativo.
 Leonardo -  "O suspense é o gênero que realmente me fascina. “O Maníaco do Circo”, meu segundo livro, causou em mim uma espécie de inquietação que me impedia até de comer e dormir direito, enquanto eu o escrevia.
Já as comédias foram escritas num momento delicado da minha vida e funcionaram como uma espécie de catarse. O “Solteiro em Trinta Dias” foi o livro mais difícil de escrever, pois a comédia é o gênero que mais exige do autor uma fidelidade com o que escreve. E não é todo dia que se consegue fazer rir.
Quanto ao processo criativo, uso técnicas de produção de roteiro e sigo resumos pontuados. É nos momentos de inspiração que volto aos resumos, a espinha dorsal da história. Gosto de saber o final desde o início, mas às vezes faço alterações ao longo do processo".

       Fale um pouco dos seus livros publicados anteriormente.
  Leonardo -  "Em 2008, lancei independentemente o “Amor de Yoni” (romance erótico);
Em 2009, publiquei “O Maníaco do Circo” (Editora All Print, cuja versão impressa está esgotada, mas há uma versão digital disponível na Amazon.com);
Em 2010 senti o desejo de escrever uma comédia e lancei “SBPR – A história de três patetas que decidiram abrir um cabaré” (também disponível na Amazon.com);
2011 foi o ano do “Solteiro em Trinta dias”, uma comédia independente que esgotou em 03 meses (disponível na Amazon.com);
E em 2012, a alegria de ser publicado por uma editora nacional de grande distribuição: “Presságio” (Novo Século Editora – selo Novos Talentos)".


     “Presságio – O assassinato da Freira Nua” é um suspense policial com uma pitada de erotismo e religiosidade. Como surgiu a ideia para esse livro?
 Leonardo -  "A ideia de uma protagonista que tem visões durante o orgasmo veio... Durante um orgasmo (risos). Guardei aquela ideia, e apesar de sentir uma vontade imensa de usá-la, não sabia como fazê-lo sem que parecesse vulgar ou ridículo...
Mas ao participar de uma brincadeira proposta pelo escritor Paulo Coelho, em seu Twitter (na qual ele sugeria que seus seguidores escrevessem uma história com 06 palavras), me surpreendi quando eu postei a frase “Visão: a freira nua está morta”. Aí, veio o estalo: essa ideia funciona!"

     O que os leitores podem esperar de “Presságio – O assassinato da Freira Nua”?
  Leonardo -  "Muito suspense, sensualidade na dose certa, uma pitada de humor e personagens inusitados.
Os que já leram “O Maníaco do Circo” vão reencontrar alguns personagens, como o legista Sócrates e o agente Felipe".

     O que os leitores podem esperar no futuro de Leonardo Barros? Quais são os seus próximos projetos?
 Leonardo -  "Estou trabalhando na revisão de uma nova obra, mas não gosto de falar sobre o livro antes de a publicação estar confirmada.
Só posso assegurar que há muito suspense e fantasia envolvidos no projeto. E que a história do próximo livro será bem mais longa que a do “Presságio”.
Aguardem!"

     Gostaria de deixar uma mensagem para os leitores do Blog Acordei com Vontade de Ler?
 Leonardo -  "Gostaria de agradecer à Carolina Durães pela divulgação do meu trabalho. É indescritível a sensação de amparo e respeito que o autor sente quando percebe que há muita gente – leitores e blogueiros –, que torcem por seu sucesso.
Queria também fazer o convite àqueles que não conhecem o Presságio: Leiam o livro e o comentem em redes sociais".

A todos um grande abraço!

Para os leitores que ainda não conferiram a resenha publicada no blog, estou deixando o link:

Espero que tenham gostado da entrevista!
Beijos
Carol

2 Comentários

  1. Carol, eu tive o prazer de conhecer o Léo pessoalmente e só posso dizer que ele é gente boa demais :-)
    Parabéns ! Adorei vê-lo no divã.

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Luka, tudo bem com você?
    Eu não tive a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente, mas concordo com você, ele é gente boa mesmo!
    Obrigada pelo comentário!
    Beijos

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.