Leonardo Barros - 224 páginas - Novo Século 

Sinopse - "Alice tem 26 anos e, desde a adolescência, é atormentada por presságios. Desacreditada por psiquiatras, ela é considerada psicótica, até que uma de suas visões a possibilita desvendar um misterioso homicídio. A polícia atribui a autoria do crime ao Beato Judas, um assassino serial de freiras, mas a descrição do suspeito não se parece em nada com o homem que ela viu em sua premonição. Agora, Alice terá de correr contra o tempo para provar que não é louca e para evitar que o assassino faça uma nova vítima. Suspense, misticismo e sensualidade se misturam neste fantástico thriller policial que parece ter a capacidade sobrenatural de manter seus leitores alucinados da primeira à última página".

Minha opinião - Confesso que eu ainda não havia lido nada do autor, e admito que eu estava perdendo uma leitura maravilhosa. Simplesmente fiquei viciada na leitura!  Antes de começar a resenhar, preciso avisar que a trama contêm cenas fortes! Conforme é explicado na sinopse, Alice tem o dom da clarividência. Infelizmente, após passar por diversos psiquiatras e ser constantemente desacredita, a garota começa a duvidar de si mesma. A procura de um novo médico, onde Alice passar novamente pelo processo de ser desacreditada, começamos a ler uma nova história em paralelo: o assassinato de uma freira em um convento. A freira foi morta de forma violenta, em uma cena descrita detalhadamente. É um crime que choca a comunidade. Uns dias passam e Alice vai a uma festa à fantasia com a colega de quarto Geórgia, ou Geo e o namorado Wálter. Lá, ela encontra Vívian Montegart, uma megera insuportável (eu pensei em escrever algo bem pior rs), fantasiada, se é que podemos chamar de fantasia, de freira (vamos dizer que era metade de uma fantasia). Alice bebe e faz uso de outras substâncias durante a festa e tem uma visão da morte de Vívian, por um homem enorme. Quando acorda após o porre, descobre que Vívian foi brutalmente assassinada. Nesse momento, a polícia tem um suspeito pela morte da primeira freira, e o prende pelos dois homicídios. Porém, Alice conta a policia que o suspeito é inocente, pois viu quem matou Vívian. Sem ninguém acreditando em sua clarividência, Alice tenta por conta própria desvendar o crime, e cada vez mais se envolve em um espiral conspiratório terrível, cheio de violência, mentiras e dor. Os momentos mais aterrorizantes são os acontecimentos do quarto 69. Não tenho nem palavras para descrever o que senti. O que eu achei do livro? Simplesmente viciante. Mesmo com a violência descrita, eu não consegui largar a leitura até descobrir quem havia cometido os crimes e por que. O que eu achei muita burrice (apesar de entender as razões da Alice), foi ela começar a investigar o assassino por conta própria. O autor conseguiu montar um cenário detalhadamente descrito, onde todos os personagens tem uma ligação entre si, mesmo que desconheçam esse fato.  Além disso, o autor consegue envolver a sexualidade dos personagens com os crimes, sem tornar a leitura vulgar. Os capítulos são curtos, tornando a leitura dinâmica. A desenvoltura da trama foi feita de forma muito inteligente, deixando o leitor envolvido do começo ao fim. Achei a capa bem coerente com a trama, como se estivéssemos observando umas das visões da Alice. A diagramação está linda e o livro está maravilhoso. Para os fãs do gênero, “Presságio – o assassinato da freira nua” é uma leitura indispensável!

Espero que tenham gostado da resenha!
Beijos
Carol

3 Comentários

  1. Adorei a resenha... vai pra minha lista de "Livros à comprar".

    Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Thaynan, tudo bem com você?
    É um livro bem interessante! Fico feliz que tenha gostado da resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Mega curioso para ler esse livro!!!
    Demais mesmo!

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.