Biografia: Advogado, Pós-Graduado em Direito Civil pela PUC-PR, sócio do Souza Postai Advogados Associados (Joinville-SC), escritório atuante em Direito Civil, Trabalhista e Previdenciário. Apaixonado por viagens, já viajou o mundo inteiro apenas com uma mochila nas costas. Iniciou a carreira aos 14 anos como office-boy em um escritório de advocacia. Apaixonado por criatividade.


Sinopse - " Quando começa o direito à vida? Essa pergunta fica quase impossível de ser respondida quando o médico Arthur Galanidel é preso por supostamente realizar abortos ilegais em sua clínica, inclusive em uma menor de idade. O advogado David é escalado para defender o caso, sofrendo a pressão da imprensa e da sociedade, que discutem se uma mulher tem ou não o direito de abortar e se o médico é ou não um criminoso. Será que David conseguirá convencer os jurados a inocentar o médico? Em quais situações é permitido a uma mãe optar por dar ou não à vida a seu filho? Neste emocionante thriller jurídico, as perseguições, tramas e provas são misturadas a todo momento, criando um romance fantástico, de tirar o fôlego. Tudo isso para, no final das contas, o caso ser julgado por sete jurados que decidirão onde começa e até onde vai o mais fundamental dos direitos: o direito à vida".

Oi Jean, tudo bem?
Jean - "Olá Carolina. Antes de mais nada, é um prazer conceder esta entrevista a você e a seu blog!"

Quando começou a sua incursão no mundo literário?
Jean - "Começou há 3 anos atrás. Eu havia acabado de me formar em Direito, era um advogado muito jovem e percebi que não havia muita criatividade na minha área. Como sempre fui uma pessoa que gosta de criar, resolvi fazer um livro, um thriller jurídico, que falava sobre as questões do Direito de uma maneira interessante, envolvente e até divertida. Assim começou minha incursão formal neste mundo, já que desde os 13 anos me lembro escrevendo e criando roteiros de suspense e aventura".

Quais são os seus autores favoritos?
Jean - "Gosto muito da Agatha Christie, pela maneira como criava seus suspenses. Admiro o Júlio Verne e o lia muito, principalmente pela aventura e imaginação de seus livros. E sempre fui fã do Machado de Assis pela forma como ele escrevia. Por mais simples que fosse o roteiro de seu livro, sempre era criativo na maneira como apresentava o texto ao leitor. Por fim, gosto do George Orwell, pelo jeito polêmico e contestador de seus livros".

Qual livro você acha indispensável ler?
Jean - "George Orwell. 1984 e a Revolução dos Bichos são livros indispensáveis para entender um pouco mais o ser humano. São fenomenais".

Existe alguma frase ou citação que você considere como sua favorita?
Jean - "“Se você acha que pode ou acha que não pode, de um jeito ou de outro está certo”.  Henry Ford.

Na sua biografia podemos observar que você é apaixonado por viagens. Quando começou esse hobbie?
Jean - "Começou desde muito cedo. Quando novo fiz expedições pela América do Sul, de carro, com minha família e amigos. Ali começou o desejo de viajar. Depois, conforme cresci, comecei a viajar pelo mundo, sempre com uma mochila nas costas. Primeiro fiquei nos EUA trabalhando por 3 meses. Depois fui para a Europa fazer um mochilão. E logo que me formei, peguei a mochila e fiz uma volta ao mundo, minha grande aventura, passando por diversos países diferentes (Camboja, Índia, Namíbia, etc)".

Quais locais que você já visitou que você considera inesquecível?
Jean - "Índia. A maneira como veem o mundo é única. O Camboja também é surpreendente, muito bonito. De uma maneira geral, a Ásia é o continente mais interessante de todos. Não é o mais fácil de se viajar, mas é o mais interessante com certeza. Não tem nada igual a Ásia".

Fale um pouco sobre o seu processo criativo para o livro “O advogado da vida”.
Jean - "Basicamente escrevo durante à noite ou nos fins de semana. Durante o horário comercial, sou um advogado que trabalha bastante, como qualquer outro advogado em início de carreira. Escrevo ficção, mas meu livro é embasado em experiências que se passam na cabeça de um profissional de nossa área. Gosto muito de escrever sentado no sofá, com as pernas esticadas e o laptop em cima do colo, enquanto tomo uma taça de vinho. Tem coisa melhor que isso?"

O que levou você a escrever sobre um assunto ainda controverso como o aborto?
Jean - "O fato de que o Direito precisa ser um pouco mais acessível. Atualmente, vejo muitas pessoas comentarem que o Direito é algo chato, difícil e complicado. Quero descomplicar. Ao falar de um tema essencial (direito à vida e o aborto) em um thriller, torno o assunto palatável, ou seja, interessante, fácil de entender. Ao mesmo tempo, o livro acaba tendo uma função social, qual seja, fazer as pessoas se interessarem pelo Direito e saberem o que acontece hoje em nosso país que ainda pode ser melhorado".

O que os leitores podem esperar do livro “O advogado da vida”?
Jean - "Emoção, aventura, polêmica e muito questionamento. É um thriller jurídico feito com base no Direito Brasileiro. A realidade nua e crua, exposta de um jeito interessante em uma ficção,  em um caso jurídico que poderia muito bem acontecer no “mundo real”".

Fale um pouco sobre o processo de publicação do livro.
Jean - "Desde o início queria uma editora competente, e se possível, de São Paulo ou do Rio de Janeiro. Consegui a Novo Século Editora, que aceitou o livro principalmente pela inovação que ele apresenta, já que thrillers jurídicos nacionais são quase nulos. Me ajudaram a criar um livro bonito não só por dentro, mas por fora também, e estou feliz demais com o trabalho deles".

Que dicas você pode dar aos futuros autores que tem interesse em publicar seus livros?
Jean - "Persistência. Ao escrever um livro, você nota porque tantas pessoas tem ideias e querem escrever um, mas poucos o fazem. Escrever um texto de 400 páginas é 1000 vezes mais difícil que escrever um de 1 página. Criar personagens, situações, tudo isto demanda um esforço tremendo. Então recomendo muita persistência e gostar do que faz. Do contrário, dificilmente chegará até o final".

O que os leitores podem esperar no futuro do Jean Postai? Já existe algum projeto em andamento?
Jean - "Com certeza. Quero ser reconhecido pelos meus thrillers jurídicos. O segundo já está saindo do forno, ainda melhor, ainda mais interessante. O Direito precisa ser mais acessível, e até mais divertido. Quero colaborar com isto através dos meus livros".

Gostaria de deixar uma mensagem para os leitores do blog Acordei com Vontade de ler?
Jean - "Quero mandar um grande abraço a todos os leitores! Acompanho este Blog e o trabalho da Carolina e posso dizer que é excelente. Vocês tornam possível o sonho de diversos autores nacionais, que devem muito a vocês.
Um muito obrigado e, caso queiram e tenham se interessado sobre thrillers jurídicos, podemos conversar bastante através da página do meu livro página do facebook ou através do meu perfil no Facebook página pessoal!
Será um prazer entrar em contato com novos leitores! Até mais!"

Para quem ainda não conferiu a resenha do blog, acesse Resenha

Espero que tenham gostado da entrevista, pois adorei conversar com o Jean!
Na próxima semana trago mais um autor ao divã!
Beijos
Carol

3 Comentários

  1. Sem dúvida esse livro aborda um tema bem polêmico, onde muito estão ainda divididos no que é o certo e errado.
    Claro que atualmente tem casos e CASOS...
    Foi bom conhecer um pouco sobre o autor, sua obra e projetos.
    Desejo-lhe muito sucesso!

    Parabéns pela entrevista Carol.
    |Bjos
    Ni

    ResponderExcluir
  2. Olá Carol. Parabéns pela entrevista. Ótima oportunidade para conhecer mais o autor Jean Postai. Já tive oportunidade de comentar a resenha feita pela Ká e aproveito para reproduzi-la nesta oportunidade.
    Pela sinopse a obra abrange tema atual e de extrema importância: onde começa a vida e porque não, onde a vida finaliza e quando temos o direito de finalizá-la. O advogado da vida é um título bastante sugestivo e enseja abordar em forma de romance um perturbador mistério de nossa existência: Vida e Morte. Um dia teremos que partir e sabemos disso. Então, os versos de Vinicius de Moraes: "Quem sabe a morte, angústia de quem vive" do Soneto da Fidelidade retrata muito bem esta verdade. O romance, com base na sinopse, aborda uma situação em que se discute a oportunidade de um ser experimentar ou não a angustia de viver sem nem mesmo ainda ter consciência disso. Isto porque há a possibilidade do aborto.
    Parabéns ao autor por abordar em forma de romance tema atual, complexo e polêmico.

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.