Bom dia Leitores do Acordei com Vontade de Ler! Mais um sábado chegando, e mais uma autora no Divã! Vamos conferir?


Biografia - "Kelly Cortez nasceu em Mossoró, Rio Grande do Norte, cidade que visita frequentemente. É estudante de Psicologia e mora atualmente em Fortaleza com o marido e um casal de filhos. Agora publica seu primeiro livro".


Sinopse - "Toninho e sua família moram diante de um belo cenário litorâneo brasileiro: o Farol de Touros, no Rio Grande do Norte. Diante dele, a família Paiva vive momentos angustiantes e marcantes inesquecíveis para o menino doce e sonhador. Mesmo contra as aspirações do pai, que pertencia à Marinha e desejava o mesmo futuro para o filho Toninho parte do litoral nordestino para ser um grande correspondente internacional. Já formado, Tonny Paiva cobre os primeiros ataques no Iraque como um reconhecido profissional. Ao se deparar com inúmeros acontecimentos em meio à guerra, o audacioso jornalista revê seus conceitos e relembra de sua infância, o que impactará em suas atuais decisões".

Oi Kelly, tudo bem com você?

Kelly – “Tudo ótimo, é muito bom estar no Divã do acordei com vontade de ler, estudo psicologia e sempre pensei em estar do outro lado do Divã”.

Fale um pouco sobre como você iniciou a sua carreira de autora.
Kelly – “Comecei a escrever cedo, sempre fui meio “contemplativa” digamos assim, então ficava quieta, lia muito e escrevia, escrevia bobagens,  pequenos contos, poemas, historias para crianças e romances, sinceramente ainda nem sei que estilo seguir já que agora sou oficialmente uma escritora, ainda é estranho para mim, talvez escreva um outro romance para adultos ou um livro para jovens que é um grande desejo e um enorme desafio confesso”.

E a família, como está lidando com o fato de ter uma autora em casa?
Kelly – “Em casa não mudou nada, continuo a mesma dona de casa estressada de sempre, só que agora passo mais tempo no computador respondendo aos leitores e blogueiros que me procuram”.

Quais são os seus autores favoritos?
Kelly – “São vários, dos clássicos a autores de quadrinhos, mas vou citar três, um que adoro desde adolescente e poderia até responsabiliza-lo pela minha paixão por livros: Pedro Bandeira, de quem sou super fã. Atualmente gosto muito do trabalho de Carlos Ruiz Zafon e do brasileiro Eduardo Spohr”.

Quais são os seus livros favoritos?
Kelly – “As crônicas de Nárnia, O Caçador de pipas, Ana Karenina e Amanhecer (meus amigos torcem o nariz quando falo que sou fã da saga Crepúsculo, mas sou mesmo, acho incrível o potencial criativo da autora)”.

Fale um pouco do seu processo criativo. Existe alguma rotina que você realiza antes de começar a escrever?
Kelly – “Nenhuma rotina! Esse é um ponto em que preciso melhorar muito, às vezes fico horas escrevendo, outras vezes passo dias só rabiscando, sempre levo caderno e lápis comigo porque as idéias vão se encaixando, as vezes surgem em lugares inusitados, comigo é assim.   É difícil uma rotina para mim, tenho filhos pequenos, comecei uma nova faculdade então vou me adaptando com o correr dos dias, mas normalmente escrevo mais na parte da tarde”.

“O farol do porto da paz” é um livro repleto de personagens complexos. Houve alguma inspiração específica na criação deles?
Kelly – “Vou aproveitar o espaço para responder algo que andam me perguntando muito: Não é a minha historia! É a historia de Toninho. Não sou filha de militar, não cursei jornalismo, admiro muito a profissão de jornalista, teria feito faculdade de jornalismo se não houvesse uma paixão maior em minha vida, que é a psicologia. Há apenas duas coisas  em comum comigo, uma que sou a única filha entre os quatro que meus pais tiveram, outra que quando adolescente tive uma leve inclinação em entrar para marinha, admiro muito a carreira militar, mesmo não tendo nenhum na família. Os filhos dos Paiva lembram meus irmãos na infância, e tive uma paixonite na adolescência que odiava ter nascido no 1º dia do ano, fui montando os personagens das minhas vivências e observações e depois que visitei o farol de Touros, no RN  tudo foi ganhando lógica, foi meio que se encaixando, a vista de cima do farol é deslumbrante, recomendo conhecer quando você for a Natal, foi muito inspirador para mim. Lembro também de ter assistido ao vivo os primeiros bombardeios ao Iraque em 2003 e fiquei admirada como os mísseis lembravam os fogos de artifício e pensei na época como deveria estar sendo viver aquele terror, agradeci em silencio pelo nosso Brasil naquele dia”.

Conte um pouquinho do livro para os nossos leitores. O que eles podem esperar de “O farol do porto da paz”?
Kelly – “Eu sou a pessoa mais suspeita para falar isso. Vou tentar ser objetiva e transcrever um pouco dos comentários que estou ouvindo. É um livro forte, bem escrito (isso eu estou ouvindo muito), tem personagens que despertam nossa admiração, eu chorei com o rumo que alguns deles tomaram, chorei por Henriques, chorei por Aissam. É uma história que fala de resgate, do rumo de nossas decisões e da força dos laços familiares”.

Fale um pouco sobre o processo de publicação do seu livro.
Kelly – “Vou falar igual aos paraenses (morei lá nos últimos 5 anos, adoro aquele povo). Égua da coisa difícil! Descobri a duras penas que não é difícil escrever um livro, difícil é publicar! Infelizmente o foco no Brasil ainda são os autores estrangeiros, tem muito escritor talentoso aqui que mal consegue ser publicado, e quando publica tem que se virar, inovar, cair no mercado para conseguir espaço, isso é um pouco frustrante. A Novo Século está fazendo a diferença no mercado editorial lançando autores como eu”.

Gostaria de deixar alguma dica para os futuros autores?
Kelly – “Não desistam! Agente se frustra, chora, sabe que tem um bom trabalho e recebe inúmeras cartas de recusa, mas é assim mesmo. Uma boa dica é formar grupos de autores, procurar alguém que já tenha passado por isso, está sempre atento aos prêmios literários e as editoras que estão abrindo portas para escritores como nós”.

Quais são os seus projetos futuros? Você pode falar um pouco sobre eles?
Kelly – “Agora não, prometo falar assim que a coisa ganhar corpo, só posso dizer que quero publicar um novo livro ainda esse ano”.

Gostaria de deixar uma mensagem para os leitores do Acordei com Vontade de Ler?
Kelly – “Por favor, olhe com carinho para os autores nacionais, eu poderia citar um monte de nomes de livros incríveis, de gente de nossa terra, livros que nos fazem sonhar, viajar... Acho que vou pular de alegria quando ver a lista dos livros mais vendidos com mais autores brasileiros do que estrangeiros. É um sonho, mas sonhar é preciso. Beijo para todos, com carinho, Kelly Cortez”.

Para aqueles que ainda não leram a resenha no blog, acesse aqui

Semana que vem trago mais um autor para o Divã!
Beijos
Carol

2 Comentários

  1. bom conhecer novos autores e seus sucessos

    ResponderExcluir
  2. PARABÉNS KELLY CORTEZ! ESSE É O INICIO DE UMA GRANDE CARREIRA. PARABÉNS TB, PARA "ACORDEI COM VONTADE DE LER" POR ABRIR UM ESPAÇO PARA OS NOVOS AUTORES E POR INCENTIVAR A LEITURA.

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.