Bom dia Leitores do Acordei com Vontade de Ler! Hoje teremos o Renato Nonato, autor de Terras Metálicas no Divã. Vamos conferir?


Biografia - Renato Carajelescov Nonato nasceu em Rudge Ramos em 1987. Formado em Engenharia Química , atualmente divide seu tempo entre o curso de mestrado em Engenharia de Materiais e uma pequena academia, onde ministra aulas de boxe chinês. Escreve como hobby desde os 16 anos.



Sinopse - "A Última Guerra lavou a atmosfera com uma massa nuclear, tornando-a incapaz de sustentar a vida. Para continuar sobrevivendo, a humanidade precisou se adaptar, isolando-se numa atmosfera artificial: a Esfera, local onde tem se mantido com o passar das gerações. A utopia da sociedade reinou desde então, com a paz sendo mantida com mão de ferro pela Elite. Mas essa paz pode acabar… Raquel é uma recém-formada em primeiro nível na Academia, que passa seu tempo livre entre Saturno – o parque temático da Esfera – e divagações sobre seu sonho de voar. Ao iniciar uma nova etapa de vida, ela vai encarar a cerimônia de implante que pode tornar esse sonho realidade, se a habilidade dos Túneis lhe for conferida. Mas essa nova etapa também vai levá-la por caminhos perigosos… Raquel descobrirá que o IA, responsável por todos os sistemas de sobrevivência da Esfera, está com os dias contados. Como manter a sanidade sabendo que a vida tal qual você conhece está para acabar? Raquel ainda não tem essa resposta, mas vai precisar encontrá-la. E para isso ela precisará, mais do que nunca, da ajuda de seus amigos… Tashi, Tales, Ângelo, Camila, Liceu, Isabela e Nirvana lhe darão sustentação quando tudo o mais na utópica Esfera estiver ruindo".

Oi Renato, tudo bem? Fale um pouco sobre os seus gêneros literários favoritos.
Renato – “Olá Carol e olá a todos do blog Acordei com Vontade de Ler, primeiramente preciso dizer que é um imenso prazer estar aqui dando essa entrevista! Sou fã incondicional de fantasia, ficção e terror, desde que comecei a ler. Sempre fui fascinado pelos universos criados pelos autores e pela forma como os muitos elementos encontram lógica dentro dos diferentes mundos. Encontrar sentidos em coisas abstratas e se convencer de que aquilo era possível sempre me deixou de queixo caído”.

Quais são os autores que te inspiram?
Renato – “Gosto muito dos autores nacionais. André Vianco foi o primeiro livro do gênero terror/fantasia que me fascinou. Eduardo Spohr, Simone Marques e Nelson Magrini são só alguns autores desse gênero. No campo internacional gosto dos clássico Senhor dos Anéis e Harry Potter, mas também me fascino pelo terror psicológico como nos livros de John Katzenbach, e nas histórias alucinantes de James Rollins e James Dashner”.

Qual livro você acha ser indispensável ler?
Renato – “Aí depende do freguês. Gosta de aventura/ficção? Força Sigma tem uma série para você. Ficção/terror? Correr ou Morrer. Terror psicológico? O Analista. Fantasia? Terras Metálicas (opa, acho que não era hora da propaganda!)”

Tem alguma frase ou citação que seja a sua preferida?
Renato – “Nem todo mundo que tenta consegue, mas todo mundo que consegue, tentou”.

Na sua biografia podemos observar que você escreve desde os 16 anos. Fale um pouco sobre isso. Como foi esse seu início na carreira de autor?
Renato – “Na verdade eu comecei a escrever livros e pequenos contos aos 16 anos, mas quando era criança gostava de desenhar gibis. Acho que muito tem a ver com a escola que estudei, nela não havia obrigação de se ler o livro X ou Y, você tinha que escolher um livro na biblioteca e ler durante o bimestre, quando terminava você contava informalmente para o resto da turma sobre o que a história se tratava. Se você gostava de ler muito, você lia, se não gostava, lia um livro só e estava bom. Minha vida de leitor compulsivo começou aí e para escritor foi um pulo”.

Terras metálicas inicialmente seria um conto curto. O que levou você a transformá-lo em um livro tão detalhado?
Renato – “Acredito que algumas histórias são grandiosas. Terras Metálicas começou como uma ideia simples, mas o universo que precisei criar foi grande demais para poucas linhas. O resultado final acabou sendo esse livro bem grande, mas que não foi nem um pouco maçante para escrever”.

Fale um pouco sobre o processo criativo. Em que você se inspirou para escrever tantos elementos diferentes, como por exemplo, os tashis.
Renato – “Penso num elemento e crio algo ao redor dele. Isso ocorreu, por exemplo, no refeitório da Academia, onde ao imaginar uma cena de piquenique dei vida a um lugar bem inusitado para se almoçar. Quanto aos tashis, eles foram inspirados nos antigos tamagochis, com a diferença que na maioria dos casos é o tashi que cuida do humano e não o contrário. Tanto que o nome tashi vem justamente da primeira e última sílaba dos tamagochis”.

Os personagens do livro, apesar de serem jovens e aprontarem algumas confusões, possuem personalidades interessantes e maduras. Você se inspirou em alguém conhecido na hora de delinear as suas personalidades?
Renato – “Quando criei as personalidades das personagens tentei fugir dos estereótipos, por isso muitos personagens parecem ser uma coisa e no fim são outra. Talvez tenha inconscientemente me inspirado em alguns conhecidos, embora no meu caso tenham sido péssimas experiências rsrs”.

O que os leitores podem esperar de Terras Metálicas?
Renato – “Podem se preparar para muita aventura e muita confusão causada pela Raquel. Risos e surpresas também vão ser uma constante. Lembrem-se, na Esfera nada é o que parece ser”.

Conte-nos um pouco sobre o processo de publicação.
Renato – “Encontrar uma editora foi uma das coisas mais difíceis que já fiz. Fiquei bem frustrado em saber que as editoras preferem traduzir livros de autores internacionais do que apostar em escritores nacionais, uma pena pois os autores brasileiros não perdem em nada para os grandes nomes vindos de fora. De qualquer forma, depois de alguma negociação, fechei com a Novo Século para publicação sobre o selo Novos Talentos da Literatura e estou muito feliz com o resultado final”.

Quais dicas você pode dar para os autores que estão pensando em publicar seus livros.
Renato – “Lembra da frase lá em cima? Nem todo mundo que tenta consegue, mas todo mundo que consegue, tentou. A dificuldade só vai deixar a conquista mais saborosa. Se quiser publicar, não desista!”

O que os leitores podem aguardar no futuro do Renato Nonato? Você já tem algum projeto em andamento?
Renato – “Tenho outros três livros em negociação com editoras. Não posso dar muitos detalhes, mas ainda vão ouvir falar bastante de mim”.

Você gostaria de deixar alguma mensagem para os leitores do Acordei com Vontade de Ler?
Renato – “Queria agradecer a todos que leram essa entrevista e ao blog Acordei com Vontade de Ler pelo espaço. Para os interessados em saber mais sobre Terras Metálicas e a Esfera, podem acompanhar a fanpage no Facebook ou mesmo a página no Skoob, para os que quiserem falar comigo ou até adquirir exemplares autografados só escrever para terrasmetalicas@hotmail.com. Obrigado!”

E para aqueles que ainda não conferiram a resenha de Terras Metálicas aqui no blog - Resenha

E então pessoal, o que acharam da entrevista de hoje?
Semana que vem teremos mais um autor no Divã do Acordei!
Beijos
Carol

Um Comentário

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.