Sinopse - "Uma das mais aclamadas escritoras de suspense da atualidade, Gillian Flynn apresenta um relato perturbador sobre um casamento em crise. Com 4 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo – o maior sucesso editorial do ano, atrás apenas da Trilogia Cinquenta tons de cinza –, "Garota Exemplar" alia humor perspicaz a uma narrativa eletrizante. O resultado é uma atmosfera de dúvidas que faz o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Na manhã de seu quinto aniversário de casamento, Amy, a linda e inteligente esposa de Nick Dunne, desaparece de sua casa às margens do Rio Mississippi. Aparentemente trata-se de um crime violento, e passagens do diário de Amy revelam uma garota perfeccionista que seria capaz de levar qualquer um ao limite. Pressionado pela polícia e pela opinião pública – e também pelos ferozmente amorosos pais de Amy –, Nick desfia uma série interminável de mentiras, meias verdades e comportamentos inapropriados. Sim, ele parece estranhamente evasivo, e sem dúvida amargo, mas seria um assassino? Com sua irmã gêmea Margo a seu lado, Nick afirma inocência. O problema é: se não foi Nick, onde está Amy? E por que todas as pistas apontam para ele?"


Minha opinião - Eu tenho sérios problemas com livros que se tornam muito comentados no mundo literário. Primeiramente, porque quando leio inúmeros elogios acabo criando altas expectativas e quando vou ler, acabo me decepcionando. No caso de "Garota Exemplar" eu terminei a leitura dividida: por um lado o livro é espetacular, as situações criadas pela autora são fantásticas, por outro, principalmente no início do livro, fiquei frustrada.
O início do livro é muito maçante, com uma narração lenta e em alguns trechos enfadonha. Quando tem início o jogo de xadrez elaborado por Amy e Nick o livro muda totalmente e se torna impossível largar a leitura. Os capítulos alternam a narração da trama do ponto de vista da Amy e do Nick.
O jogo psicológico criado no livro é insano, conforme avançava na leitura ficava cada vez mais pasma com os acontecimentos. Acredito que se um especialista em traçar perfis analisasse esse livro, classificaria alguns personagens como psicopatas. É uma leitura muito instigante, da metade do livro em diante. 
Para os defensores da justiça, algumas situações foram frustrantes, mas devemos sempre lembrar que não são todos os criminosos que são punidos. O final é simplesmente genial (de um modo maligno é claro!).
O livro traz uma visão assustadora de pessoas que consideraríamos "comuns", mas que escondem um lado sombrio assustador.
Quanto a revisão, layout e diagramação, a editora está de parabéns.
A capa é sombria, simples e traz o leitor para o clima do livro.
Espero que tenham gostado da resenha.
Beijos
Carol

Um Comentário

  1. De fato é um livro maçante no começo. Eu li os dois primeiros capítulos na livraria, e os achei incríveis. Comprei, animado, e quando continuei a leitura... Bem, levei mais de duas semanas pra chegar na página noventa, simplesmente não conseguia ler ele por muito tempo. Mas então fui viajar com uns amigos em uma das noites eu não consegui dormir, e o que fiz foi ler. Só nessa noite cheguei na duzentos, e na noite seguinte acabei o livro.
    A escritora conseguiu criar um clima magnífico, e o fato de eu não ter conseguido me apegar a nenhum dos personagens principais foi algo interessante. Convenhamos, nenhum deles é um mocinho, tanto Nick quanto Amy tem pontos que dão raiva, mesmo que haja apenas um "vilão" na história.
    Garota Exemplar foi um livro que comecei a ler uma semana depois de terminar um livro sobre psicopatia, e sim, a personagem que se enquadra nisso é óbvia.
    Só o que achei decepcionante foi o detalhe de como foi a "jogada" que definiu o xeque-mate do, como você diz, xadrez que eles elaboram. Aquilo foi de fato cruel.
    Enfim, é um livro magnífico e devo dizer que adorei sua comparação com o xadrez. É, é isso.
    Breno.

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.