Sinopse - "Jennifer Love Hewitt, como o nome já sugere, é uma mulher que muito sabe sobre o amor. Após viver experiências com alguns relacionamentos que, inclusive, eram alvos de muitas fofocas em jornais e revistas do mundo todo, a atriz resolveu encarar o papel de ‘conselheira amorosa’ e dividir os seus conhecimentos no livro O Dia em que Atirei no Cupido, que agora é lançado no Brasil, pela Editora Seoman. A obra se tornou um best-seller do New York Times. A queridinha de Hollywood conta com muito humor todas as duras lições que passou em suas relações sentimentais e ensina, desde como escolher o homem certo e dispensar os ‘errados’ quanto a sobreviver após o rompimento de um relacionamento mal sucedido. Jennifer também classifica o sexo oposto em três classes: O Machão, O Metrossexual e O Herói, além de listar vários conselhos valiosos, entre eles: 10 Coisas a Fazer antes de um Encontro, 5 Coisas que Você Não Deve Dizer em um Encontro, 10 Verdades Nuas e Cruas Sobre os Homens e as 20 Tarefas Após um Rompimento. O impulso de escrever o livro sobre suas experiências, bem ou mal sucedidas, foi após uma viagem que a atriz realizou ao México, tudo para esquecer o término de um relacionamento. Lá, ela pôde conhecer e conversar com algumas mulheres das mais diferentes idades e estilos de vida, e percebeu que todas elas, cada uma na sua intensidade, tiveram experiências parecidas de encontros e desencontros amorosos. O Dia em que Atirei no Cupido não se trata de uma simples obra de autoajuda para relacionamentos, mas sim a narrativa de uma estrela de Hollywood, que traz à tona suas histórias mais íntimas, para servir de exemplo a muitas mulheres e casais que estão vivendo um romance ou que estão à procura do amor verdadeiro". 

Minha opinião -  Quando recebi o livro, não sabia muito bem o que pensar dele: seria uma comédia ou um livro de auto-ajuda ou uma biografia? De certa forma, é um pouco de cada. A autora demonstra através de exemplos que aconteceram com ela mesma, algumas situações hilárias e de como conseguiu ultrapassá-las. 
Alguns capítulos são listas, outros depoimentos e outros situações que toda mulher já passou, como a de ter um encontro com um cara mala (por isso é muito importante aprender sobre a regra dos 3 strikes rs).
Divertido, contemporâneo e encantador, "O dia em que atirei no cupido" deixa claro que todas as mulheres tem problemas de relacionamento ou em entender o que o sexo oposto deseja. 
Fala dos complexos femininos, e como o homem os encara (particularmente a parte do bumbum grande nas mulheres rs).Em alguns momentos da leitura, chorei de tanto rir (por exemplo no trecho do "Vagelezamento"). O livro conta também com algumas dicas de exercícios diários, e um dos trechos mais bonitinhos do livro "O que significa o amor?" na visão das crianças:


"Quando a minha avó começou a ter atrite, ela não podia mais se curvar e pintar as unhas do pé; então meu avô passou a fazer isso sempre para ela, mesmo quando ele também começou a ter atrite nas mãos. Isso é amor". - Rebecca, 8 anos (p. 176).

Em relação ao layout, diagramação e revisão, a editora fez um ótimo trabalho. O livro é recheado de detalhes engraçados, como imagens, fontes e tantos outros, que fica impossível não admirar o trabalho.
Espero que tenham gostado da resenha!
Beijos
Carol

Um Comentário

  1. Adoro a atriz e tenho bastante vontade de ler essa livro. Parabéns pela resenha. Beijos!

    http://livrosobaluzdalua.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.