Sinopse - "Quando a realidade torna-se brutal demais para uma garota de 18 anos, ela é hospitalizada. O ano é 1967 e a realidade é brutal para muitas pessoas. Mesmo assim poucas são consideradas loucas e trancadas por se recusarem a seguir padrões e encarar a realidade. Susanna Kaysen era uma delas. Sua lucidez e percepção do mundo à sua volta era logo que seus pais, amigos e professores não entendiam. E sua vida transformou-se ao colocar os pés pela primeira vez no hospital psiquiátrico McLean, onde, nos dois anos seguintes, Susanna precisou encontrar um novo foco, uma nova interpretação de mundo, um contato com ela mesma. Corpo e mente, em processo de busca, trancada com outras garotas de sua idade. Garotas marcadas pela sociedade, excluídas, consideradas insanas, doentes e descartadas logo no início da vida adulta. Polly, Georgina, Daisy e Lisa. Estão todas ali. O que é sanidade? Garotas interrompidas".


Minha opinião -  Muitas pessoas já tiveram a oportunidade de assistir ao filme, que contou com estrelas como Angelina Jolie e Brittany Murphy no elenco, então a história não é totalmente desconhecida para a maioria dos leitores.
É muito interessante observar que a autora vivenciou as situações, já que ela ficou dois anos em um hospital psiquiátrico. Quando lemos um livro em que o autor/autora vivencia a experiência descrita, é possível observar a importância que os detalhes descritos possuem. O livro não conta uma história extraordinária, e sim uma história de pessoas "comuns" que em algum momento de sua vida, sentiram-se perdidos a ponto de precisarem de ajuda.
Estar em um hospital psiquiátrico, junto com outras jovens que a sociedade considera "malucas", "insanas", "desequilibradas", muda o modo de encarar a vida de Susanna. Começa um questionamento sobre o que é normal, sobre os seus medos e anseios e os medos e anseios dessas outras garotas.
É um livro de grande impacto psicológico e emocional. As personagens são reais, humanizadas, cheias de problemas e completamente cativantes. A honestidade deles é completa, sem censura.
A editora realizou um trabalho excepcional no livro. Os detalhes internos, a diagramação, realmente é um trabalho de tirar o fôlego. A capa é impactante não apenas pela cor, mas porque existem marcas d'água no meio desse rosa choque que trazem algumas frases interessantes.

"Quando faço alguma coisa fora da rotina ....., eu me pergunto: "Você está louca?". 
É uma expressão corriqueira, eu sei. Para mim, contudo, tem um significado particular: os túneis, a tela de segurança, os garfos de plástico, a fronteira reluzente e sempre móvel que , como todas as fronteiras, nos acena e nos pede que a atravessemos. Não quero atravessá-la novamente". (p.177)

2 Comentários

  1. Oi Ka!

    Eu vi o filme e estou louca pelo livro!
    Queria saber da histórias de todas as personagens, mas só algumas contaram...
    O que as levou a fazer o que fizeram para estarem ali...
    Como foram consideradas mentalmente perturbadas?

    Será que no livro vou encontrar essas respostas?

    Beijokinhas!
    aestranhaestantedagi.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Pela resenha acho que vou gostar do livro, mas ele vai ter que cair no meu colo pq comprar, depois do natal, não posso por um bom tempo...

    http://conversandodragoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.