Sinopse - "Os irmãos Allgood nunca desistem de lutar contra os poderes autoritários e desumanos d’O Único Que É O Único, mas, agora, eles estão sem Margô — a jovem e atrevida revolucionária; sem Célia — o grande amor de Whit; e sem seus pais — que provavelmente estão mortos... Então, em uma tentativa de esquecer suas tristes lembranças e, ao mesmo tempo, continuar seu trabalho revolucionário, os irmãos vão parar em um concerto de rock organizado pela Resistência onde os caminhos de Wisty e de um jovem roqueiro vão se cruzar. Afinal, Wisty poderá encontrar algo que lhe ofereça alguma alegria em meio a tanta aflição, quem sabe o seu verdadeiro amor... Mas, quando se trata destes irmãos, nada costuma ser muito simples e tudo pode sofrer uma reviravolta grave, do tipo que pode comprometer suas vidas. Enquanto passam por perdas e ganhos, O Único Que É O Único continua fazendo uso de todos os seus poderes, inclusive do poder do gelo e da neve, para conquistar o dom de Wisty... Ou para, finalmente, matá-la". 


Minha opinião -  "O Dom" é uma leitura rápida e leve. Os capítulos são bem curtos e alternam entre o ponto de vista dos irmãos Allgood. O estilo do segundo livro é parecido com o primeiro, com a busca dos irmãos por resposta.
Dessa vez, o Único está se aproximando um pouco mais e também começamos a entender o motivo do sequestro dos irmãos e o porquê deles serem tão perigosos para a Ordem. 
Whit tenta agora localizar a namorada e a maior parte do livro contada por ele fica focada nessa busca.
Wisty começa a entender os seus poderes e se torna um pouquinho mais interessante do que o irmão.

“Então, me transformo numa tocha humana, como já tinha feito antes. Mas, desta vez, deixo todo o cuidado de lado. De repente, línguas de fogo de três, seis, dez metros de altura estão se alastrando ao meu redor, rasgando o até então fresco ar da tarde” (p.19)

Um terceiro personagem ganha destaque nesse livro: a fuinha do primeiro livro (não vou comentar mais para não dar spoiler rs)
É um livro para se ler sem muitas pretensões. É uma leitura gostosa, voltada para o público infanto-juvenil mas sem nenhum momento excepcional.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa é muito linda e traz vários pequenos detalhes nela, sem contar a textura que é bem legal.

"Eu amo a minha irmã, mas com certeza ela não tem o, hum, DNA emocional de espiã.Ela é 99% paixão, 1% planejamento."(p. 65)

Um Comentário

  1. Adorei a sua resenha! Ainda não li o primeiro livro, mas pretendo fazer isso logo :D

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/ (ex Hangover at 16)

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.