Sinopse - "Estamos em Chengdu, a quinta metrópole mais populosa da China moderna. Nessa cidade de contrastes vive Chen Zong, um gerente de vendas ambicioso que passa por uma crise - a mulher que ama está prestes a deixá-lo; na empresa há uma conspiração para arruiná-lo; e uma dívida alta ameaça levá-lo para a prisão. Para salvar se, ele arma um plano para virar o jogo e, de quebra, ganhar muito dinheiro".




Minha opinião - "Deixe-me em paz" é um livro com uma proposta diferente. Chen Zong é um homem que teria a vida dos sonhos de muitas pessoas: um bom emprego, uma estabilidade financeira e uma esposa que o ama. O problema é que Chen é o tipo de pessoa extremamente egocêntrica, que se acha mais inteligente do que todos a sua volta e portanto, merece mais do que tem. E é por causa disso que ele se vê perdendo tudo o que tem.
A trama ocorre na China e apresenta uma sociedade com alguns aspectos machistas, onde as mulheres que não seguem determinadas regras são "desonradas". Se um homem casado tem um caso extraconjugal é visto como uma necessidade enquanto a esposa deve aceitar em silêncio. Chen segue a risca esse conceito. Ele diz inúmeras vezes que ama a esposa, mas não para de traí-la constantemente, inclusive quando ela se encontra no hospital. No instante em que ela decide largá-lo, ele acredita que deve reconquistá-la (dentro do que ele acha aceitável).
No emprego, a situação é a mesma. Chen consegue alguns "extras" super faturando alguns negócios, mas quando um novo chefe é eleito e não ele, Chen acredita que é a vítima e que não tem o devido respeito, então crê estar no direito de usar métodos não muito honrados para conseguir o que "merece".
Conforme os desentendimentos vão ocorrendo, o protagonista faz uma viagem às suas lembranças, contando ao leitor como conheceu seus amigos, sua esposa e como conseguiu se tornar que ele é atualmente. 
Nem os amigos escapam de Chen. Ele é leal a eles, até o momento que a situação não é mais conveniente.
Durante toda a leitura ficamos analisando a personalidade de Chen e o modo como ele reage as eventualidades. Será que ele é perseguido por ser tão incrível quanto acha que é ou se coloca em circunstâncias em que ele irá ser pego de propósito?
É um livro que tem personagens reais, fazendo com que o leitor identifique algumas personalidades fortes apresentadas. Um livro que fala dos erros que cometemos, da necessidade em criar justificativas para não assumirmos nossas falhas e do egocentrismo.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. Existem alguns errinhos de digitação, mas nada que interferisse na leitura. A capa combina com a história, que se passa em uma metrópole. 

"- Não posso dizer que você seja boa pessoa, mas também não acho que seja completamente detestável - ela disse. - Ainda há um resto de bondade aí dentro, e temo que no final seja você a sofrer". (p. 129)

Deixe um comentário

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.