Sinopse - "Jéssica é uma garota de dezessete anos, estudiosa, bonita e rica, que havia ganhado uma segunda chance. Numa visita à casa de sua avó, em São Paulo, conhece um grupo de amigos e Beto, rapaz rebelde que, entre cigarros, bebedeiras e rock’n'roll, está longe de ser o homem ideal, mas sua indiferença o torna irresistivelmente fascinante. Tinha tudo para ser mais uma história de amor, exceto por um detalhe: os dois não sabiam que essa união os transformaria em peças de um jogo entre membros de uma organização e um homem ambicioso; todos manipulados por Arimã, o anjo corrompido. Para que consigam ficar juntos, Jéssica e Beto precisarão revelar segredos, aprender a perdoar, interpretar sonhos e acreditar que não estão sozinhos. Entre vícios, brigas, uma flor que inspira e seres sobrenaturais, está Padma, em busca da luz".



Minha opinião - Narrado em terceira pessoa "Padma" é uma história sobre um amor verdadeiro interrompido por causa da loucura e obsessão. Inicialmente somos apresentados a história da "menina, o rebelde, o senhor e o diabo" passada no sul do Brasil em um local conhecido como Paraíso do Inferno. É lá que temos o primeiro contato com a linda garota do vestido lilás e o cavaleiro gaúcho. 
Após essa breve apresentação que irá determinar o destino de todos os personagens do livro, somos levados à Nova York, onde conhecemos Jéssica uma jovem de 17 anos, modelo, que vive com o seu chofer Sérgio, um homem de 33 anos que é obcecado por ela. A relação entre os dois é uma dinâmica de controle de tal maneira que Jéssica sente-se sem vida mesmo sem entender o motivo. 
É em uma de suas pausas do trabalho que ela decide visitar a mãe Isaura na cidade de Piquete. Isaura é uma mulher rica, mas de origem humilde e ignora a própria mãe e irmão para esconder o passado. 
Mas Jéssica não concorda com essa visão e vai até São Paulo na companhia de Sérgio visitar sua avó Dona Laura, a madrinha, Dona Maria e seu tio, o Xande. É lá em São Paulo que a vida de Jéssica tem uma reviravolta irreversível. 
Beto tem 23 anos, é irmão de Bento e Bel, filhos de Dona Beth, a vizinha da avó de Jéssica. A jovem, que até o momento vivia em uma bolha graças a sua notoriedade como modelo e por ser controlada por Sérgio vê na vida simples daqueles vizinhos uma liberdade nunca antes sentida. Ao se envolver com esses novos amigos, Jéssica não tem ideia de que também está entrando em um mundo onde as situações não são tão delimitadas, onde a lei e a criminalidade cruzam o caminho constantemente. 
Vários personagens são apresentados ao leitor durante essa jornada: Mayra, Xande, Tucaio, Sheila, Roberta, Emerson, Bento, Bel. São pessoas que apresentam o lado "real" da vida para Jéssica, com amizades verdadeiras, intrigas, confidências, amores e infelicidades.
O livro acaba apresentando dois grandes temas: o primeiro é o citado no parágrafo anterior, onde temos Jéssica aprendendo a viver, apaixonando-se e também se decepcionando. O segundo é mais focado no lado espiritual e sobrenatural, envolvendo a disputa que se iniciou em Paraíso do Inferno.
Jéssica é a personagem que tem o maior crescimento pessoal no livro. De garotinha inocente, protegida e alienada da realidade, ela se torna forte, decidida e independente.
Beto tem as suas contradições. Se por um lado ele é visto como um líder, por outro ele não apresenta auto-estima, sempre se depreciando e achando que não é bom o suficiente. 
Os demais personagens (que são muitos por isso não irei analisá-los individualmente) apresentam em suas personalidades características marcantes como lealdade, fé, companheirismo, inveja e cobiça.
Uma história muito bem delineada que apresenta de modo claro e conciso toda uma jornada que ultrapassa o tempo e o espaço. Um livro que fala de amor, mas também fala de fé e dos sacrifícios que fazemos por aqueles que amamos.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa é linda e chama a atenção e para os leitores mais curiosos posso confirmar que o título "Padma", que será explicado no meio da trama, combina perfeitamente com a história.

"A submissão de Jéssica lhe dava a sensação de poder, e aquele jogo lhe parecia mais atraente do que se estivesse aos beijos com ela. A ausência da mãe dava-lhe absoluto controle da situação. Apenas aguardava o momento em que seu amor fosse correspondido, o que, para ele, não estava longe de acontecer. Desde então, nunca mais se afastara dela. Jéssica não tinha a presença da mãe, nem amigas, nem namorados, apenas Sérgio". (p. 41)

Deixe um comentário

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.