Sinopse - "Romance de estreia da italiana Paola Predicatori, Meu inverno em Zerolândia é a história de uma perda, da vida escolar conturbada e dos caminhos desajeitados e incertos que o amor pode tomar. Alessandra tem 17 anos quando sua mãe morre. Sua dor é como uma redoma e quando retorna à escola, se afasta dos amigos e vai sentar junto a Gabriel, conhecido como Zero, a nulidade da turma. Deseja apenas ser ignorada, como acontece com ele. Zero, porém, é mais interessante do que parece. Em sua falsa indiferença, é atento e sensível. É ele quem socorre Alessandra, aparecendo inesperadamente ao seu lado quando ela precisa de ajuda. Viram um par: Zero e Zeta. Aos poucos, um sentimento indefinível ganha forma entre as paredes da classe e a praia de inverno, surgindo uma história delicada e forte que mudará para sempre a vida desse casal de adolescentes. De maneira realista, Meu inverno em Zerolândia mostra a juventude italiana e seu cotidiano, em uma história dura e envolvente, capaz de mostrar que a soma de dois zeros não é zero, mas sim dois". 

Minha opinião - Após a morte da mãe, Alessandra encontra-se perdida em meio a tudo que antes lhe era familiar; ela perde o chão e a motivação para praticar as mesmas ações de antes e estar no meio das mesmas pessoas. Sente raiva, não sabe de quem.. mas acaba descontando em tudo a sua volta; nisso resolve se isolar de todos sentando ao lado de um menino conhecido como Zero (Gabriel). A sua única intenção é ser esquecida pelos demais a sua volta, mas aos poucos ela torna-se Zeta, e acaba se interessando por Gabriel. Ele tem tantos problemas quanto Alessandra e não está nem aí para o que se passa ao redor. Não fala com ninguém e age como um figurante em sua própria vida. 
Gabriel e Alessandra acabam se envolvendo em uma relação complicada, sem muitas palavras ou sem promessas; juntos eles não precisam das costumeiras explicações ou diálogos, simplesmente estão ali como que fazendo uma companhia silenciosa um ao outro. 
Um parece esperar mais do outro em dado momento, mas não falam sobre isso e acaba que surgem barreiras que os afastam.. 
Nesse cenário ambos tentam lidar com os diversos problemas na vida de todo adolescente, como também com assuntos mais sérios, como um pai abusivo e bêbado, a morte da mãe, amizades que não fazem o menor sentido, relações despedaçadas, abusos e bullying, entre outros. 
Para Alessandra se isolar em Zerolândia pode ser a solução para a perda de sua mãe.. mas em Zerolândia ela encontra novas motivações, novos desejos e percebe que há muito mais que se esperar da vida! 



4 Comentários

  1. Ká!
    Bem, superar problemas na adolescência é mesmo um tanto complicado e manter um relacionamento onde não se conversa é no mínimo estranho, principalmente quando se tem tantos problemas e geralmente se quer compartilhar.
    Não sei se isolar é a melhor solução...
    Semaninha de luz e paz!
    Cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Gente! Que relacionamento mais fora do comum... fiquei intrigada pelo mundo de Zerolândia. Muito intrigada mesmo, já me isolei muito na minha adolescência (claro que por motivos menos impactantes que os de Zero e Zeta rs) de alguma forma eu entendo. Irei ler com toda certeza.

    Beijos
    Passaporte Literário

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu não consigo passar por aqui sem aumentar a minha lista de livros desejados. Mas esse superou, estou pesquisando os melhores preços aqui, porque a história me atraiu de TODAS as formas possíveis, e a sua resenha bem escrita ajuda muito

    ResponderExcluir
  4. Muito legal a mensagem de superação que o livro passa. Gostei muito.

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.