SinopseSpindle Cove é o destino de certos tipos de jovens-mulheres: bem-nascidas, delicadas, tímidas, que não se adaptaram ao casamento ou que se desencantaram com ele, ou então as que se encantaram demais com o homem errado. Susanna Finch, a linda e extremamente inteligente filha única do Conselheiro Real, Sir Lewis Finch, é a anfitriã da vila. Ela lidera as jovens que lá vivem, defendendo-as com unhas e dentes, pois tem o compromisso de transformá-las em grandes mulheres descobrindo e desenvolvendo seus talentos.
O lugar é bastante pacato, até o dia em que chega o tenente-coronel do Exército Britânico, Victor Bramwell. O forte homem viu sua vida despedaçar-se quando uma bala de chumbo atravessou seu joelho enquanto defendia a Inglaterra na guerra contra Napoleão. Como sabe que Sir Lewis Finch é o único que pode devolver seu comando, vai pedir sua ajuda. Porém, em vez disso, ganha um título não solicitado de lorde, um castelo que não queria, e a missão de reunir doze homens da região, equipá-los, armá-los e treiná-los para estabelecer uma milícia respeitável.
Susanna não quer aquele homem invadindo sua tranquila vida, mas Bramwell não está disposto a desistir de conseguir o que deseja. Então os dois se preparam para se enfrentar e iniciar uma intensa batalha! O que ambos não imaginam é que a mesma força que os repele pode se transformar em uma atração incontrolável.

A história se passa no verão de 1813 em Sussex, Inglaterra. Victor Bramwell, ou Bram, seu primo Colin Sandhurst (Lorde Payne) e o cabo Payne estão rumando para Splinde Cove, a procura do Sir Lewis Finch, pai de Susanna.

Sir Lewis é um inventor importante, conhecido por criações de armamentos e por ter grande influência. Bram foi ferido em batalha e ainda não está totalmente recuperado. Por conta disso não querem reintegrá-lo na Guerra, mas ele não irá desistir. Passou a vida inteira acompanhando o pai em campanhas e só sabe fazer uma coisa na vida: lutar.

Imaginem a surpresa do trio ao chegar na exótica Splinde Cove. Exótica pelo fato de ser um retiro para jovens da sociedade. Jovens com problemas de saúde, com reputações duvidosas ou jovens excêntricas. Um local dirigido por Susanna, uma jovem de 25 anos que acredita na independência e autossuficiência das mulheres. As mulheres atiram, tem uma taverna só para elas e comandam praticamente cada pedacinho de Splinde Cove.

Sir Lewis tem uma proposta para Bram: ele tem quatro semanas para conseguir montar um pelotão preparado para proteger Splinde Cove (que fica próximo ao mar). Para isso, Bram ganha o título de Lorde Rycliff e herda o Castelo em ruínas do local.

Quatro semanas para montar um pelotão nesse local pode ser demais para Bram, principalmente por não conseguir parar de pensar em Suzanna. E não ajuda nada o fato de que Suzanna está sempre por perto, questionando e instigando o novo Lorde.

A interação dos dois é ótima. Suzanna não é uma mocinha cheia de frescuras. Ela ama sua liberdade, ama Splinde Cove e vai lutar com unhas e dentes para manter tudo como está. Criou aquela comunidade para jovens com um propósito e nada nem ninguém ficará em seu caminho. A história pessoal de Suzanna é interessante, pois demonstra as barbaridades médicas que realizavam na época.

Algumas das hóspedes de Splinde Cove ganham destaque. Uma delas é a viúva Sra. Highwood e suas três filhas: Diana, a bela da família mas que sofre um grave problema de saúde, Minerva (que será a protagonista do segundo livro), o patinho feio da família e que ainda por cima é geóloga. Não tem um pingo de habilidade social e vive lendo ou pesquisando rochas e a jovem Charlotte, inteligente e sagaz mas que ainda está em fase de crescimento.

A comunidade de Splinde Cove é incrível: existe uma única loja, a loja Tem de Tudo da Sra Bright, que é administrada por ela e seus inúmeros filhos, a Casa de Chá/ Taverna que é administrada por um talentoso confeiteiro e a Queen's Ruby, a pensão para "moças de fino trato".

""Deixe-me tentar entender", disse ele, enquanto massageava discretamente a coxa dolorida, fingindo que estava tirando poeira. "Você sugere que nós nos retiremos porque a vila está cheia de solteironas? Desde quando você reclama de excesso de mulheres?"
"Essas não são solteironas normais... São .... São incontroláveis. E excessivamente instruídas"." (p. 40)

Bram é teimoso e não admite o fato de que Suzanna pode ser melhor em algumas atividades feitas para os homens e sua independência o tira do sério.

Colin é o galanteador do livro. Tem uma reputação a zelar e faz bom uso dela. É divertido e não leva a vida tão a sério. O cabo Thorne é calado e passa a impressão de que guarda uma história de vida pesada e triste.

Tessa Dare tem uma escrita fluida e construiu diálogos ricos e inteligentes. A construção dos personagens também foi realizada de forma magnífica. Cada um deles possui uma personalidade forte e demonstra suas forças e vulnerabilidades. 

Mesclando cenas bem humoradas com romance e até com discussões sobre o comportamento da época, "Uma noite para se entregar" é um livro que faz qualquer leitor se apaixonar. Possui personagens carismáticos, um lindo romance e uma comunidade tão viva que se torna inesquecível.

Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa tem um ar romântico e histórico e combina perfeitamente com a trama.

"Pegue seu convite gentil e volte para casa com ele. Quando soldados e donzelas vivem sob o mesmo teto, coisas acontecem. E se acontecer da senhorita ficar debaixo de mim novamente... - o olhar faminto dele percorreu o corpo de Susanna - não vai me escapar tão facilmente." (p. 38)





Sinopse - O que pode acontecer quando um canalha decide acompanhar uma mulher inteligente em uma viagem? A bela e inteligente geóloga Minerva Highwood, uma das solteiras convictas de Spindle Cove, precisa ir à Escócia para apresentar uma grande descoberta em um importante simpósio. Mas para que isso aconteça, ela precisará encontrar alguém que a leve. Colin Sandhurst Payne, o Lorde Payne, um libertino de primeira, quer estar em qualquer lugar – menos em Spindle Cove. Minerva decide, então, que ele é a pessoa ideal para embarcar com ela em sua aventura. Mas como uma mulher solteira poderia viajar acompanhada por um homem sem reputação? Esses parceiros improváveis têm uma semana para convencer suas famílias de que estão apaixonados, forjar uma fuga, correr de bandidos armados, sobreviver aos seus piores pesadelos e viajar 400 milhas sem se matar. Tudo isso dividindo uma pequena carruagem de dia e compartilhando uma cama menor ainda à noite. Mas durante essa conturbada convivência, Colin revela um caráter muito mais profundo que seu exterior jovial, e Minerva prova que a concha em que vive esconde uma bela e brilhante alma. Talvez uma semana seja tempo suficiente para encontrarem um mundo de problemas. Ou, quem sabe, um amor eterno.

A história é narrada em terceira pessoa e inicialmente se passa em Splinde Cove, mas conforme a aventura se desenrola, os protagonistas passam por diversos locais.
Os protagonistas desse livro são Minerva e Colin. Minerva, a jovem geóloga que é vista pela mãe não apenas como o patinho feio, mas também como esquisita, ama Splinde Cove. Finalmente ela tem um lugar onde não é vista como estranha.

"" Que diabos você está vestindo? Você fez votos em algum convento desde a última vez que nos falamos? As Irmãzinhas Simplórias da Santa Monotonia?"
"Eu pensei nisso", disse ela. "Talvez teria sido a coisa mais sábia a se fazer. Mas não. Este é meu traje de banho."" (p. 41)

Colin desde o livro anterior gosta de provocar Minerva. Sempre trocando o nome dela ou fazendo brincadeiras, muitas vezes não percebe que magoa a jovem, que já se sente invisível.

""Devo dizer, Melinda, que está é uma surpresa e tanto."
"Meu nome é Minerva."
"Claro, claro." Ele inclinou a cabeça. "Eu não reconheci seu rosto sem o livro na frente."" (p. 07)

Sua inteligência fez com que fosse aceita na Sociedade Geológica Real da Escócia. Lógico que nunca disse que era uma mulher, mas seus artigos estavam sendo publicados e agora ela havia realizado uma grande descoberta, que poderia mudar a maneira como a humanidade enxergava a evolução. Para isso, ela precisaria ir até um Simpósio, em Edimburgo, mas uma viagem de duas semanas em estradas estranhas sozinha, seria muito perigoso. 
Por isso, pede ajuda à Colin para concretizar seu plano: forjarem uma fuga amorosa para que ela apresente seu trabalho e em troca, ela irá dar o dinheiro do prêmio a ele.

""Eu vou ganhar. Eu poderia explicar detalhadamente minhas descobertas para você, mas isso envolveria muitas palavras polissílabas. Não sei se você está disposto a ouví-las agora. Portanto, basta lhe dizer que tenho certeza."" (p. 14)

O que os dois não esperavam é que essa viagem seria a aventura da vida deles. Roubos, apostas e muita confusão. Só que nesse percurso os dois irão se conhecer e perceber que se complementam perfeitamente.
Colin age como se não ligasse para nada, mas não é verdade. O falecimento de seus pais trouxe à tona sentimentos e inseguranças com as quais ele não sabe lidar, transformando-o em um camaleão. Colin atua perfeitamente de acordo com a situação. Sabe ser galanteador, comportado ou divertido.
Minerva é curiosa, inteligente e perspicaz. Porém, tem sérios problemas com sua auto estima, pois passou a vida inteira ouvindo críticas da mãe, da sociedade e da imagem de perfeição que sua irmã tem. Sua curiosidade deixa Colin surpreso, pois a jovem tímida e introspectiva se torna uma mulher sensual e irresistível quando os dois estão sozinhos.

"" É claro que será necessário. Você não pode dançar com essa bolsa pesada pendurada no seu pulso."
"Eu não vou dançar, mamãe. Lorde Payne convidou Minerva."
"Convidou Minerva. Que ideia." A mãe emitiu um som indelicado de incredulidade. Que se tornou um engasgo quando a mulher percebeu, finalmente, que a mão do Lorde Payne estava realmente sendo oferecida para Minerva." (p. 34)

Em alguns capítulos vamos observando também como anda a comunidade de Splinde Cove com a fuga desses dois e temos indícios do próximo casal.

Da mesma forma que o primeiro livro, "Uma semana para se perder" é irresistível. Os personagens secundários de "Uma noite para se entregar" comprovam que são carismáticos e apaixonantes.
Uma história de amor improvável. Um casal tão distinto que combina perfeitamente e confirma que a sua alma gêmea pode estar mais perto do que você imagina.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. Foram encontrados dois errinhos, um na página 205 e outro na 243, mas nada que interferisse na compreensão do texto. A capa é linda e combina perfeitamente com a do primeiro.

""Talvez seja porque dormir em um leito de flores e laços pareça encantador e romântico. Enquanto deitar na cama com um caracol marítimo primitivo parece nojento."
Ela cerrou a mandíbula.
"Fique à vontade para dormir no chão."
"Eu falei nojento? Quis dizer encantador. Eu sempre sonhei em ir para a cama com um caracol marinho primitivo."" (p. 76)






21 Comentários

  1. Carolina!
    Muito bom ler livros de época bem escritos, detalhados e com personagens bem elaborados, que interagem de forma engraçada e cheios de vida.
    Quero ler os dois.
    “A alegria está na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido e não na vitória propriamente dita.”(Mahatma Gandhi)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudy, tudo bem?
      São ótimos romances de época, vale muito a pena conferir!
      Bjkas

      Excluir
  2. Olá
    eu ainda ão li livros de época, ma seu curto muito as capas, rsrs, sempre me deixam louco, kkk, e essa dai esta um verdadeiro amor, espero poder lê-los
    Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Manoel, tudo bem?
      Se você ainda não leu romances de época, vale a pena começar por essa série. Acredito que irá gostar bastante.
      Bjkas

      Excluir
  3. Oi Carol,
    Se tem um gênero que eu posso escolher esse ano, certamente seria os romances de época rsrs. Amei a resenha, principalmente por saber que conta a história da "patinho feia" da família. Ainda tem o fato dos personagens secundários serem cativantes, enfim, quero muito poder ler essa série.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Larissa, tudo bem?
      Os romances de época tem se destacado mesmo. Acho que séries assim, onde todos os personagens ganham atenção, valem a pena conferir.
      Bjkas

      Excluir
  4. Oi!
    Gosto muito de romances de época e esse me chamou atenção por temos um lugar do de mulheres o que achei bem legal e gostei dos personagens assim que tiver oportunidade quero ler essa serie !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Suzana, tudo bem?
      Sim, essa série é ótima, principalmente por ter um local onde as mulheres são mais independentes. Com isso as protagonistas não são tão bobinhas rs
      Bjkas

      Excluir
  5. Carol, não sei porquê, mesmo tentando e me esforçando para um livro de romance histórico me agradar, não consigo o fato. Posso destacar um ponto positivo da série que, como você mesmo disse, é "...cenas bem humoradas com romance...", não é um ponto favorito, mas dá pra engolir. São poucos os livros de época que me encantam, esse entrou para os muitos desapontantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ycaro, tudo bem?
      Entendo o que quer dizer. Às vezes simplesmente não gostamos mesmo de um determinado gênero literário, não tem jeito rs.
      Bjkas

      Excluir
  6. ainda não li nenhum livro da autora mas acho a capa desses dois livros linda demais, amei a resenha, e já to curiosa pra ler pois adoro ler romances de época.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Emanoelle, tudo bem?
      As capas são lindas mesmo e se você curte romances de época, precisa conferir essa série ;)
      Bjkas

      Excluir
  7. Achei as capas maravilhosas <3
    Apesar de não ser fã desses tipos de livros, fiquei interessada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Giovanna, tudo bem?
      As capas são apaixonantes, não é?
      Bjkas

      Excluir
  8. Eu confesso que romances não é meu gênero literário favorito, mas os de época realmente acabam me encantando, por conta do cenário e de toda a descrição dos detalhes, que me deixa fascinada. Gosto da ideia foco desses livros, uma aldeia apenas para mulheres. Por conta desse objetivo, as mocinhas acabam não sendo aquelas submissas e indefesas que vemos na maioria dos romances, elas são independentes e muitos decididas, e eu me identifico muito com essas personalidades. Vai ser interessante acompanhar o relacionamento entre uma mulher de personalidade forte e um homem acostumado a ser comandante de tudo e todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Patrini, tudo bem?
      Concordo com você. Romances de época tem um encantamento próprio e despertam a nossa imaginação.
      Bjkas

      Excluir
  9. Sua resenha está muito boa, adoro livros do gênero de romances, me chamam muito a atenção.
    Pretendo ler a Série Spindle Cove e adorei as resenhas dos livros Uma Noite Para Se Entregar & Uma Semana Para Se Perder, a história parece ser bem envolvente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mariele, tudo bem?
      Que bom que curtiu a resenha.
      Espero que leia a série e venha nos contar o que achou.
      Bjkas

      Excluir
  10. Eu ainda não conhecia essa série, mas apesar de não curtir muito romance, eu confesso que adorei. O que me atraiu mais foi o fato de que a personagem não é cheia de frescura, e sim uma mulher que luta com garra, em busca daquilo que ela acha certo. Além disso, eu adorei as capas. Elas são lindas *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luis, tudo bem?
      Realmente esse é o diferencial das séries. As mocinhas não são bobas e correm atrás do que querem ;)
      Bjkas

      Excluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.