SinopseDécadas de paz pouco fizeram para diminuir a desconfiança entre seres humanos e dragões no reino medieval de Goredd. Criaturas extremamente inteligentes que podem assumir a forma humana, os dragões frequentam a corte como embaixadores e usam sua mente racional e matemática em universidades, como estudiosos e professores. No entanto, à medida que o aniversário do Tratado de Paz se aproxima, o clima começa a ficar perigosamente tenso. Seraphina Dombergh, uma garota de 16 anos com grande talento para a música, tem um terrível segredo e razões para temer humanos e dragões. Ela se torna assistente do compositor da corte justo quando um membro da família real é encontrado morto, devido a um ataque muito ao estilo dos dragões, isto é, com a cabeça arrancada a mordidas. Seraphina, com sua inteligência e senso de humor ácido e feroz, passa a colaborar com as investigações, ao lado do capitão da Guarda da Rainha, o sagaz e encantador Príncipe Lucian Kiggs. Enquanto eles começam a encontrar pistas de uma trama sinistra para destruir a paz, a fachada cuidadosamente construída por Seraphina começa a desmoronar, tornando cada vez mais difícil manter seu segredo, cuja revelação seria catastrófica em sua vida.

"Seraphina" é o primeiro livro da série de Rachel Hartman que trata do incrível universo dos dragões. Narrado em primeira pessoa pela protagonista que dá nome a série, o leitor é levado à Goredd e acompanha a jovem que está envolta em mistérios.
Desde os primeiros capítulos observamos que Seraphina é especial. Ela narra memórias de seu próprio batizado, algo que seria impossível de acontecer e sua estreita ligação com a música e a forma como ela a envolve. Conforme vai crescendo, seu comportamento diferenciado preocupa cada vez mais seu pai, que a mantêm em casa pelo máximo de anos possíveis.
Sua companhia é Orma, que a ensina música e que é um dragão. Isso mesmo! Orma é um dragão, só que usa sua forma humana para transitar no reino. Um tratado de paz de mais de 40 anos tornou a convivência pacífica entre humanos e dragões. Mesmo assim, existe uma grande parcela da população que não aceita essa paz e até mesmo um grupo específico, os Filhos de São Ogdo, que incitam a violência contra os dragões. Essa paz é tensa, e inúmeros pequenos conflitos ocorrem no reino. Porém, os dois grupos concordam com algo: dragões e humanos não podem se envolver e o resultado seria o surgimento de abominações.
Os anos se passam e Seraphina é uma adolescente com dons: ela possui episódios terríveis de dores de cabeça e em sua mente avista criaturas diferentes. Para controlar suas dores, ela cria um jardim mental e passeia diariamente nele, verificando seus habitantes.
Seraphina aprendeu a se tornar invisível. Nunca se destaca em nada ou chama a atenção. Porém, quando ela se torna aprendiz de Viridius no castelo, sua vida se transforma. Sua música chama a atenção, mas o que a destaca mais do que tudo é o entendimento dos costumes dos dragões, despertando a atenção do príncipe Kiggs.
Kiggs é um personagem adorável. Ele é um daqueles raros personagens realmente puros, movidos pela honra e com uma sagacidade incrível.
Os dois começam a conversar e desenvolver um laço de amizade, que com o tempo pode se tornar algo mais. Isso se Kiggs não estivesse comprometido com a princesa Glisselda.
A renovação do tratado de paz se aproxima e o reino está se preparando para receber o Adgamar Comonot, o líder dos dragões. Só que o príncipe Rufus é decapitado, uma morte no estilo dos Dragões. Será que os dragões o mataram ou um complô está sendo formado?
É impossível discutir a obra sem se sentir tentado a dar detalhes. A trama é muito bem desenvolvida e os personagens são carismáticos ao extremo, até mesmo os vilões.
O mundo criado nessa série é sem dúvida um dos mais espetaculares que tive a oportunidade de conhecer. A autora deixou bem claro as diferenças culturais entre os povos, seus costumes e sua forma de viver.
Seraphina por si só é um personagem que tem a capacidade de encantar. Mesmo se não houvesse tanta riqueza na história do reino e dos povos, apenas sua complexidade é o suficiente para deixar o leitor apaixonado.
A grandiosidade dos dragões é descrita de forma vívida. Seus voos, sua lógica e até mesmo seus rompantes parecem saltar das páginas.
Kiggs e Glisselda são um exemplo de monarquia. Apesar da pouca idade de ambos, eles entendem a complexidade do poder e exalam confiança. São personagens fortes e inteligentes o bastante para saber quando utilizar o carisma político. Porém, a portas fechadas, demonstram a vulnerabilidade do ser humano.
Um livro inesquecível, com personagens que estarão nos corações dos leitores por um longo tempo.
Em relação à diagramação, revisão e layout foi realizado um ótimo trabalho.





SinopseA guerra começou... Seraphina se vê envolvida na luta pelo poder entre os dragões rebeldes e a corte humana. O segredo cuidadosamente guardado de sua verdadeira identidade - meio-dragão, meia-humana - agora é uma vantagem para ela. Só Seraphina pode unir o reino de Goredd e, para isso, lançará mão de todos os seus recursos. Ela percorre o país em busca dos outros meios-dragões, cujos dons especiais talvez façam a diferença na luta. Mas quanto mais coisas ela descobre, mais percebe que alguém está prejudicando seu plano. Que esperança haverá de promover a paz entre dragões e humanos se um de seus próprios aliados pretende ver ambos os mundos destruídos?


CONTÊM SPOILERS DO PRIMEIRO LIVRO

Logo no início do livro temos uma "retrospectiva" dos acontecimentos de "Seraphina": o complô para exterminar o tratado de paz, a fuga de Orma dos Censores, a descoberta do real significado do jardim de Seraphina e é claro, a revelação pública da existência de meio-dragões, que são chamados de ityassari e o exílio do Comonot em Goredd.
Com a revelação da existência dos ityassari, sabe-se também que cada um deles possui dons especiais que podem ser úteis para proteger Goredd. Então a rainha Selda precisa que Seraphina encontre os demais habitantes de seu jardim.
Seraphina e Abdo (que ganha um grande destaque nesse desfecho) embarcam em um longa jornada pelos reinos vizinhos em busca de seus irmãos.
Essa jornada é repleta de aventuras e em cada parada, Seraphina e Abdo terão incríveis descobertas. No jardim de Seraphina, existia alguém que a assustava. Alguém que esteve junto à ela durante toda a sua infância, mas que roubou alguns momentos de sua vida e até mesmo a controlou: Jannoula.
A partir do momento em que Seraphina descobre que Jannoula nunca esteve confinada em sua mente e que ela é tão poderosa, a trama ganha uma maior profundidade e as respostas tornam-se cada vez mais necessárias. 
A história pessoal de Jannoula é comovente ao mesmo tempo que assustadora. Sua insanidade (vamos chamar assim por falta de um adjetivo que se encaixe melhor) leva os ityassari ao perigo. Mas não apenas eles. O plano concebido é tão perfeito que se torna horripilante.
O retorno de Josef, ex-Conde de Apsig é outro fator determinante na trama. Sua fervorosa devoção ao seu santo de batismo acaba colocando-o em meio a guerra. 
E é nesse momento que a trama ganha uma nova camada de complexidade. Desde o primeiro livro, os Santos e suas ideologias são discutidas abertamente na história, mas não havia sido debatido sua importância e a relação deles com os dragões e os humanos, principalmente a Santa herege, Yirtrudis. Em "Sangue de Dragão" a revelação é feita e devo admitir que fiquei surpreendida pela conclusão. 
Quem teve a oportunidade de ler o primeiro livro ficou também encantada com o amor crescente entre Kiggs e Seraphina. A interação entre os dois continua emocionante e capaz de quebrar o coração do leitor. O respeito que ambos cultivam com Selda, a honra, os princípios morais que regem esses dois é um exemplo para todos.
"Sangue de Dragão" é a conclusão dessa duologia extraordinária. Da primeira página de "Seraphina" até a última página de "Sangue de Dragão" Rachel Hartman apresentou sua clara visão sobre essas criaturas divinas. 
O enredo foi muito bem delineado, não havendo furos na trama ou deixando por um único momento a desejar. Os personagens são ricos, complexos e vulneráveis. Os reinos, seus povos, suas culturas e ensinamentos são belos. 
Uma jornada inesquecível sobre o amor, a lealdade, a honra e a verdadeira família.
A Editora arrasou no trabalho desse livro. Internamente há um mapa dos reinos logo no início e no final, há a lista de personagens divididas por reinos e um glossário para auxiliar o leitor.


10 Comentários

  1. Oi, Carol. Eu me impressionei com estes livros. Quando vi o lançamento de Sangue de Dragão, não dei nada pela história, mas foi encantador. Gostei muito do jeito como a autora aborda a amizade entre o humano e o "animal" nesta obra. Além, de um cenário onde dragões são - quase - aceitos. O sentimento e o refúgio entre Seraphina e o dragão me encantou. Quando você cita do não-destaque da protagonista em nada, me lembrei da Katniss, risos. Bom, gostei bastante da premissa. Vou ler!

    ResponderExcluir
  2. Gostei tanto da resenha do primeiro livro que não li a do segundo ,eu simplesmente adorei ,acho que nunca li nada com dragões (dragões que pensam ,não aqueles irracionais que só cospem fogo ),e eu adorei .
    Apesar de as capas não serem tão lindas assim o enredo compensa bastante .

    ResponderExcluir
  3. Oi, Carol.
    Ainda não conhecia essa história, mas fiquei encantada!
    Já vai para a lista de desejados!
    Beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  4. Foi bom poder ler essa resenha, eu te juro que não dava nada pra história mas depois de ler a sua resenha tenho que dar o braço a torce e dizer que talvez o livro seja bem melhor do que aparenta. E que venha uma historia fantástica de dragões pra minha estante.

    ResponderExcluir
  5. Carolina!
    Gosto muito quando as resenhas de uma série saem juntas, porque podemos acompanhar tudo ao mesmo tempo.
    Adoro história com dragões e aqui me parece que tem tantos seres fantásticos que poderíamos nos confundir, mas isso não acontece.
    Ler uma história de fantasia bem elaborada é uma glória.
    “A beleza é a única coisa preciosa na vida. É difícil encontrá-la - mas quem consegue descobre tudo.”(Charles Chaplin)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, estou completamente apaixonada nesses livros! Pra mim, se contém dragões na história, já crio altas expectativas com os livros. Quero muito ler esses, ❤

    ResponderExcluir
  7. Se tem dragões na história, meu coração já se derrete todo. Achei a história fantástica e estou mega apaixonada. Só lendo a resenha, já me envolvido com os personagens e to louca pra ler a história toda.

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia essa série e me interessei muito por ela. Gosto muito de livros que se passem em um mundo de dragões, que tenha bastante mistérios e personagens que me envolvam muito. Com certeza vou ler essa série.

    ResponderExcluir
  9. Oi Carol,
    Apesar de gostar de fantasia, não me resordo de ter lido muitos livros de dragões. Gostei da resenha e de saber que são bem descrito os dragões, seus voos... só não curti saber que é uma série.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.