Sinopse - Adrian Veidt tem um sonho. Um sonho de um planeta melhor e mais justo, onde nenhum ser humano tenha de conhecer a miséria, a escravidão e a guerra. Adrian Veidt tem um sonho… e está disposto a sacrificar sua própria humanidade por ele, sem pestanejar! Ozymandias, uma das mais ricas e intrigantes criações de Alan Moore e Dave Gibbons em Watchmen, tem suas origens e trajetória esmiuçadas pelos consagrados LEN WEIN e JAE LEE em um conto sobre altruísmo e crueldade, e sobre a tênue e frágil linha que separa as duas coisas.






Adrian Alexander Veidt, vulgo Ozymandias tem um grande sonho, um mundo onde os seres humanos não conheçam a fome, miséria, um mundo justo para todos. E para isso ele não terá limites, não deixará nada e nem ninguém ficar em seu caminho para concretizar esse sonho, mesmo que isso custe sua própria humanidade.


Desde pequeno ele demonstrou uma inteligência muito acima da média e a pedido dos pais se esforçou o máximo para ocultar essa vantagem, pois isso sempre lhe trazia muitos problemas. Anos mais tarde, ele se apaixona por uma bela mulher, faz uma grande fortuna, mas nem tudo é perfeito, pois o destino se mostra cruel às vezes.


Como uma forma de combater certas injustiças ele se torna o combatente do crime chamado Ozymandias, ele enfrenta gangues e vários tipos de criminosos. Até conhece um certo psicopata um tanto patriótico. Ele começa a desenvolver seus projetos em prol de seu ambicioso sonho, sempre tendo cuidado em ocultar os detalhes de todos os demais envolvidos, deixando saberem somente o necessário e aparando algumas pontas soltas quando necessário. Mas o elemento principal para o sucesso de seu plano é um certo deus azul que é tanto necessário para seu objetivo, quanto extremamente perigoso a ponto de poder impedi-lo. 

Ele usará inúmeras pessoas e as descartará em prol de sua visão para o futuro e bem estar da humanidade, onde em sua visão ele dará um novo sentido a frase: Os fins justificam os meios. Mesmo que pra isso tenham que ser tomadas medidas extremas e cruéis para conseguir salvar o mundo.


28 Comentários

  1. Respostas
    1. Em parte eu concordo, mas em outra o que me interessou foi ver tudo o que ele fez, quem ele manipulou e até onde ele é capaz de ir para concluir sua missão.

      Excluir
  2. Bem mesmo que o personagem tenha princípios honráveis, acho que no momento eu não leria essa historia, me parece que a narrativa é um pouco cansativa, mas quem sabe no futuro eu não o leia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cansativa não, mas você descobrirá até onde ele é capaz de ir para conseguir a paz. Ele literalmente levou ao pé da letra o ditado: os fins justificam os meios.

      Excluir
  3. Que demais! A premissa do livro parece bem interessante e me lembrou muito O doador de memórias, pois este reflete a imagem de um mundo perfeito sem esses problemas que temos enfrentado (escravidão, guerras e tals). Gostei bastante da resenha e a obra foi pra minha listinha de desejados :3

    Abs!

    ResponderExcluir
  4. A história parece ser boa, mas já vi algumas pessoas falando mal dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai depende do gosto de cada um, os que você ouviu falarem mal dele podem não ter gostado, mas quem sabe você goste. Afinal nem todo mundo gosta das mesmas coisas.

      Excluir
  5. Rodrigo, ótima resenha. Não sei se você concorda, mas foi raro um 'contentamento' com o que eu li. Talvez seja o caso do arco e desenrolar lento. O que também não é por si só motivo para elevar a qualidade no geral. Acho que ela é bem regular.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, não achei esse hq incrível. Mas o que me interessou foi até onde ele foi capaz de ir para realizar seu sonho. Mesmo que o preço foi alto.

      Excluir
  6. Oi Rodrigo ^^
    Fiquei bastante intrigado e curioso para ler essa HQ. Vou já adicionar nas desejadas para leitura online. :D
    Já sinto que esse "os fins justificam os meios" não será algo bom para a humanidade.
    E que capa linda é essa??? FANTÁSTICA.
    Mais uma HQ adicionada na lista com sucesso.
    Obrigado por nos apresentar a essa belezura, Rodrigo. Abraços.

    http://peregrinodanoite.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada e que bom que se interessou. Bem quanto ao não será bom a humanidade é relativo, pois o resultado desejado por ele seria o ideal para a humanidade. Só não acho que eles apreciariam essa paz, se soubessem como ela foi obtida.

      Excluir
  7. Apesar de ter gostado dessa resenha.
    Ele livro passa longe do meu gênero literário, não leria, mas gostei do tema em si.
    Boa Tarde.
    Bjks.

    ResponderExcluir
  8. Sua resenha está muito boa, mas lendo um pouco mais sobre a história desse livro vi que ele não faz muito meu estilo de leituras, por esse motivo não me interessei muito e no momento não pretendo ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, é uma pena. Dessa série Watchmen tem outros que achei melhores como o Comediante (o cara é um sociopata sádico, que faria Jack Estripador parecer um escoteiro), a do Rorcharch (justiceiro).

      Excluir
  9. A Resenha está boa, só que não gostei do livro, não achei interessante, então fica para próxima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena que não gostou, talvez você goste dos outras dessa série.

      Excluir
  10. Geralmente curto HQs ,mas não gostei muito dessa :/
    Mas adorei a capa 😊

    ResponderExcluir
  11. Antes de Watchmen: Ozymandias tem qualidades e defeitos. Entre as primeiras e que se destacam são as qualidades: a arte arrebatadora de Jae Lee, uma mistura de traço clássico com diagramação arrojada, cheia de círculos e semicírculos. O texto de Len Wein, apesar da costumeira eloquência, é bem escrito e fluido.

    ResponderExcluir
  12. Oi!
    Ainda não conhecia Antes de Watchmen: Ozymandias, mas gostei da historia é sempre legal achar novas HQ interessantes!!

    ResponderExcluir
  13. Eu acho interessante que muitos dos vilões por aí parecem acreditar que estão fazendo algo de bom pro mundo/humanidade hahahaha

    Bem, ele me pareceu um vilão, pelo menos ahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra mim ele era um herói que meio que enlouqueceu tentando encontrar uma maneira de salvar o mundo de se autodestruir e virou um vilão. Mas que não acha que está errado a cruzar a linha do bem / mal, pois acredita que está fazendo um mal pelo bem maior. Mesmo que o resto do mundo não veja dessa maneira.

      Excluir
  14. Oiiee,
    Achei super interessante o personagem, pois ele tem aquela coisa de herói, mas possui uma ambição que faz com que pareça vilão também, isso exprime a personalidade de muitos de nós, pois temos esse lado bom e mal dentro de si, bastar estar ali na frente algo que desejamos muito que acabamos fazendo coisas que não são consideradas justas, como usar pessoas e descarta-las.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mas todos nós temos uma força de vontade para saber quando não devemos ultrapassar essa linha, embora muitas pessoas vejam a linha e nem se importem em machucar ou manipular os outros para conseguir o que quer.

      Excluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.