Sinopse - Quando um visitante extraterrestre chega à Terra, suas primeiras impressões da espécie humana são pouco positivas. Ao assumir a forma do professor Andrew Martin, da Universidade de Cambridge, o visitante está ansioso por cumprir a tarefa macabra que lhe foi incumbida e voltar rapidamente para seu planeta. Ele se sente enojado pela aparência dos humanos, pelo que eles comem e por sua capacidade de matar e guerrear. Mas, à medida que o tempo passa, ele começa a perceber que pode haver mais coisas nessa espécie do que havia pensado. Disfarçado de Martin, ele cria laços com sua família e começa a ver esperança e beleza na imperfeição humana, o que o faz questionar a missão que o levou à Terra.


A trama é dividida em prefácio e mais três partes, todas narradas em primeira pessoa sob a perspectiva do extraterrestre. No prefácio vemos que o livro foi escrito pelo protagonista com o intuito de apresentar os seres humanos aos demais seres intergaláticos.
Andrew Martin é um matemático de 43 anos, cujo objetivo de sua vida foi conseguir comprovar a hipótese de Riemann. O problema é que os seres humanos não estão preparados para as consequências dessa resposta, então Martin é abduzido antes de divulgá-la.

"Os humanos são uma espécie arrogante, definida pela violência e pela ganância. Eles pegaram seu próprio planeta, o único a que atualmente têm acesso, e o colocaram no caminho da destruição. Criaram um mundo de divisões e categorias e têm deixado continuamente de ver as semelhanças entre si mesmos." (p. 59)

A missão do extraterrestre (ele não tem um nome) é descobrir se Martin contou a alguém sobre as suas descobertas e eliminar qualquer evidência existente.
Logo após a abdução um novo ser está em seu corpo e vários momentos complicados se seguem. Ele é atropelado, preso por atentado ao pudor e colocado em um manicômio por um colapso nervoso.


"Os humanos, como regra geral, não gostam de pessoas loucas, a menos que sejam boas em pintura e, ainda assim, depois que já morreram. Mas a definição de louco na Terra parece ser muito obscura e inconsistente. O que era absolutamente são em um período torna-se insano em outro." (p. 45)

São tantas sensações novas que "Martin" sente-se sobrecarregado, mas acaba contando com a ajuda de sua esposa Isobel nessa adaptação.

"- Mas o que você ganha com isso?
Ela riu.
- Essa pergunta tem sido uma constante em todo o nosso casamento.
- Por quê? - pergunte. - O nosso casamento tem sido ruim?
Ela inspirou fundo, como se essa pergunta fosse algo que a levasse a mergulhar e passar por baixo." (p. 66)

Enquanto tenta compreender as nuances da humanidade, Martin observa a dinâmica do casamento com Isobel, seu relacionamento com Gulliver, seu filho adolescente, e Newton, o cão da família.

"- Ah, tenha dó, foi sempre a mesma coisa. Dos 2 aos 4 anos de idade, Gulliver nunca o viu em casa um dia sequer na hora do banho ou para te contar uma história na hora de dormir. Você ficava fora de si diante de qualquer coisa que interferisse com você e sua carreira." (p. 199)

De uma forma leve e divertida, Matt Haig explora os aspectos da convivência, do casamento, da amizade e discute abertamente sobre a família e o amor.
A dinâmica entre "Martin" e Isobel é delicada e ao mesmo tempo complexa. Isobel aceita de bom grado as mudanças de "Martin" pois ainda tem esperança de o homem que sempre amou ainda existem. Anos de um casamento desgastado, um companheiro extremamente egoísta e narcisista e um filho que vive sob a sombra do sucesso dos pais é uma pequena parte do cenário retratado em "Os Humanos".

"E eu me sentia incrivelmente emocionado por poder testemunhar o amor ressurgindo de dentro dela, porque era um amor total no auge da vida. Do tipo que só era possível em alguém que morreria em algum momento do futuro e que também tinha vivido o suficiente para saber que amar e ser amada era uma coisa difícil de alcançar, mas os se lidar com ela é impossível ver o infinito." (p. 225)

"Os Humanos" é um testemunho das perfeitas imperfeições que carregamos. É uma narrativa forte e vibrante de como somos capazes de errar, mas também da nossa capacidade infinita de amar.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A parte interna tem divisões das partes, frases em destaque e uma capa linda.

"E foi então que tomei consciência do porquê do amor.
O amor servia para ajudar a sobreviver." (p. 239) 


17 Comentários

  1. Poxa, Carol.
    Não sei o que tem acontecido comigo ultimamente, mas leio as sinopses dos livros e imagino uma coisa. Então leio as resenhas e descubro que a história não é nada daquilo que eu pensei.
    Só pela resenha eu não leria o livro, mas agora fiquei curiosa e vai para a lista!
    beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Camila, tudo bem com você?
      Acredito que nesse caso, o problema foi a sinopse em si. Quando a li, sinceramente não fiquei muito animada com o livro.
      Bjkas

      Excluir
  2. Carolina,
    Que surpresa linda com esta resenha!
    Confesso que a capa e sinopse não tinham me atraído, mas ao ler seus quotes e comentários, percebi um livro sensível, recheado de reflexões e sentimentos. Gostei muito! Obrigada! Já marquei no Skoob.
    Beijos!
    Anna
    http://arvoredoscontos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anna, tudo bem com você?
      Fico feliz em saber que gostou da resenha ;) Eu também não havia me interessado pelo livro quando li a sinopse, mas resolvi dar uma chance.
      Bjkas

      Excluir
  3. Oi Carol, sua linda, tudo bem?
    Esse livro parece ser lindo. Imagine ele descobrindo o sentimento do amor, querendo fazer parte dessa família, querendo ser humano, querendo ficar em nosso Planeta depois de tudo o que nós fazemos. Tenho certeza de que irei me emocionar e me apaixonar!!! Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cila, tudo bem com você?
      O livro é lindo mesmo, traz uma sensação de redescobrimento do ser humano. É bem legal!
      Que bom que curtiu a resenha.
      Bjkas

      Excluir
  4. Desde que vi o lançamento me apaixonei, se trata de uma história espetacular, de um escritor muito bom, com o desenrolar ótimo.. sua resenha me fez ter mais vontade ainda de ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria Fernanda, tudo bem?
      Que legal saber que a resenha despertou ainda mais sua vontade de ler o livro.
      Bjkas

      Excluir
  5. Oi!
    Tinha visto esse livro no lançamento e achado interessante, lendo a resenha gostei muito da historia principalmente desse modo diferente que o escritor coloca os extraterrestre e principalmente os temas em relação a família que ele vai discutindo a parti dessa historia o que achei bem criativo !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Suzana, tudo bem com você?
      Com certeza é uma obra criativa e bem diferente.
      Bjkas

      Excluir
  6. A resenha mostra um livro bem legal, até gostaria de ler, so espero que não fique melancólico na metade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana Paula, tudo bem?
      Eu particularmente não achei a obra melancólica e sim reflexiva.
      Bjkas

      Excluir
  7. desde que eu vi o lançamento desse livro eu achei interessante
    e agora depois dessa resenha eu quero saber como os relacionamentos humanos (e animais pq pelo jeito o newton é um personagem muito importante) vão mudar a visão de um extraterrestre sobre a gente
    mais um para minha lista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mariana, tudo bem?
      Acredito que você irá se encantar pela obra.
      Bjkas

      Excluir
  8. Primeiro: a capa. Segundo: a estória. Se eu me interessei? Com certeza. Se quero? Pra já!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana Paula, tudo bem?
      Espero que realize a leitura e venha nos contar o que achou.
      Bjkas

      Excluir
  9. Ola, pessoal, vou ver se acho este livro do Haig, acabei de ler dele Razoes Para Continuar Vivo e adorei. Se vc conhece alguem com depressao, eh um otimo presente e tb eh bacana p quem gosta de psicologia, psicanalise. Abraço a todos e vamos continuar com as leituras! Viva a literatura. Isa Fonseca - escritora de A Paz do Meu Avo.

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.