Resenha Vulgo Grace - Margaret Atwood

Depois de O conto da aia, que deu origem à prestigiada série The handmaid’s tale e alcançou o status de bestseller mais de 30 anos após a publicação original, outro romance de Margaret Atwood vai ganhar as telas, desta vez pela Netflix, e volta às prateleiras com nova capa pela Rocco. Inspirado num caso real, Vulgo Grace conta a trajetória de Grace Marks, uma criada condenada à prisão perpétua por ter ajudado a assassinar o patrão e a governanta da casa onde trabalhava, na Toronto do século XIX. Com uma narrativa repleta de sutilezas que revelam um pouco da personalidade e do passado da personagem, estimulando o leitor a formar sua própria opinião sobre ela, Atwood guarda as respostas definitivas para o fim. Afinal, o que teria levado Grace Marks a cometer o crime? Ou será que ela estaria sendo vitima de uma injustiça?
Vulgo Grace foi um dos livros que mais me impressionou dentre os escolhidos para leitura do gênero das minhas últimas leituras. Margaret Atwood é muito conhecida, porém eu ainda não tinha lido nada da autora, até me deparar com esse livro. A autora consegue intercalar uma leitura inteligente, envolvente e completamente engenhosa.
Essa capa é um relançamento da Editora Rocco, ou seja, o livro já havia sido publicado antes nos anos de 1997 pela Marco Zero e em 2008 pela Rocco. Ano passado a Rocco trouxe de volta o livro repaginado com nova capa, o tradutor é o mesmo.
Vulgo Grace, nos traz uma história inebriante que começa em 1846 onde temos Grace com apenas dezesseis anos acusada de um crime brutal, mas que deixou dúvidas em todos da cidade. Ela foi acusada de assassinar o patrão e sua governante e amante com a ajuda de James um dos funcionários da casa.
Grace é uma personagem completamente intrigante e te suga para dentro de sua mente de tal maneira que nos vemos pensando com ela e como ela. E durante o decorrer da narrativa ficamos na dúvida se ela de fato cometeu ou não os assassinatos. Se sim, teria sido motivado por ciúmes, inveja ou o que mais? Se não, como uma menina tão inteligente, inocente e poderia cometer tal ato?
Tanto Grace, quanto James são presos, porém James loco é morto, enquanto Grace continua presa com a dúvida pairando sobre ela. Grace é angelical, com ar inocente e ao mesmo tempo ambiciosa e perspicaz, isso confunde o leitor o tempo inteiro, pois Atwood conseguiu nos presentear com um enigma que somente decifrei nas últimas páginas quando as verdades, fatos e fantasias foram desemaranhados.
Grace é tão intrigante e "inocente" que ela consegue um comitê curioso e dedicado a provar sua inocência, composto por pessoas influentes e ricas que contratam um médico psiquiatra, Simon Jordan, que tem grande credibilidade e poderá provar a culpa ou inocência de Grace.
Até mesmo o médico se vê intrigado por essa mente tão astuta e convincente. A personagem parece ou finge sofrer de amnésia e não lembrar dos fatos do ocorrido conforme James que foi prontamente morto por seus crimes. Com isso ela ganha tempo e aliados. Mas afinal, seria ela culpada ou inocente? Teria ela cometido os assassinatos; teria sido obrigada? Ou teria arquitetado tudo ela mesma num ato de inveja e ira? E mesmo assim se ela tiver cometido tal ato, será mesmo que sua mente apagou a situação como forma de proteção? Um trauma sofrido?
O tempo inteiro o leitor se pergunta se Grace é ou não culpada. Tem momentos que dei uns gritinhos de "Ah! Te peguei sua ardilosa" e outros "Não! Ela é inocente, sofrida! Coitada." - mas de fato o final da história me surpreendeu completamente, pois para todos os lugares que minha mente foi tentando desvendar o mistério, não consegui ser tão genial quanto Margaret Atwood. Eu fiquei impressionada!
E se eu fiquei, com certeza vocês também ficarão! Pois atualmente anda difícil um autor conseguir de fato me deixar de queixo caído!
As resposta não vem dadas, você precisa pensar, refletir e se pega "delirando" no caminho das possibilidades! Que agonia! Adorei ficar com essa dúvida e principalmente encontrar uma escrita tão emocionante e instigante! Recomendo a leitura para os amantes do gênero!
"Penso em tudo que foi escrito a meu respeito - que sou um demônio desumano, uma vítima inocente de um canalha, forçada contra a minha vontade e com a própria vida em risco, que eu era ignorante demais para saber como agir e que me enforcar seria um crime judiciário, que eu gosto de animais, que sou muito bonita, com uma pele radiante, que tenho olhos azuis, que tenho olhos verdes, que meus cabelos são ruivos e também que são castanhos, que sou alta e também de estatura mediana, que me visto com propriedade e decência, que para isso roubei de uma mulher morta, que sou ligeira e esperta em meu trabalho, que tenho má índole e um temperamento genioso, que tenho a aparência de uma pessoa acima da minha humilde condição social, que sou uma pessoa dócil, de natureza afável, de quem nunca ninguém se queixou, que sou astuta e insidiosa, que sou fraca da cabeça, quase uma retardada. E eu me pergunto: como posso ser todas essas coisas distintas ao mesmo tempo?"





Para comprar o livro pela Amazon, acesse: http://amzn.to/2CQY8RI

8 comentários

  1. Ola!
    Não tinha conhecimento desse livro ou se já li em algum lugar, pois não lembro. A trama é bem intrigante, me deixou bastante curiosa pela história dessa personagem e pelo mistério que envolve a trama toda. Já me fez querer ler!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Bom, o livro com esse ar investigativo, traz uma certa 'confusão' ao leitor, por acreditar ou não na inocência da Grace, ao longo da história. Afinal, é preciso tirar sua própria conclusão.

    No caso da Grace, esse jeito delicado dela serviu (ou não) para esconder um outro lado sombrio dela.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Carol.
    Estou vendo os livros dessa autora em todas as livrarias que passo e comecei ficar curiosa. Ainda mais depois de uma resenha dessas!! Rs...
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  4. Carolina!
    Após o sucesso do livro anterior dela, não esperava nada menos que sucesso nesse também.
    Amo histórias ambientadas no século XIX e quando mostram a força de suas protagonistas, ainda melhor.
    A autora sempre com temas polêmicos.
    Quero ler.
    Desejo um mês mais que abençoado, carregadinho de luz e paz e uma semana esplendorosa!
    “Acredite, existem pessoas que não procuram beleza, mas sim coração.” (Cazuza)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  5. Olá! Sua resenha me deixou bem curiosa para conferir o livro, gostei que ele não entregue todas as respostas facilmente, e que é necessário refletir sobre os acontecimentos para descobrir se Grace é ou não culpada.

    ResponderExcluir
  6. Quero muito ver essa série e ler esse livro, me lembrou muito a história da Lizzie Borden. Quero muito saber se ela foi a assassina ou não e o porque, tenho certeza que vou ficar como você sempre tentando adivinhar o que aconteceu.

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Agora fiquei bem curiosa, esse é um livro muito envolvente, pois já na resenha estava com essa curiosidade e quero saber se Grace e culpada ou não, parece o tipo de livro que ficamos na incerteza o tempo todo e quando temos certeza ela muda, quero muito ler essa historia !!

    ResponderExcluir
  8. Foi uma das melhores leituras que eu tive esse ano e eu assistir a série da Netflix e fiquei completamente apaixonada pela história suspense histórico Foi simplesmente incrível

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.