Resenha Sem Amor - Katy Regnery

Sinopse - Meu nome é Cassidy Porter... Meu pai, Paul Isaac Porter, foi condenado quase vinte anos atrás pelo brutal assassinato de doze garotas inocentes. Embora eu tivesse apenas oito anos naquela época, tenho noção — a cada dia da minha vida — de que sou seu filho, seu único filho. Para proteger o mundo do veneno que corre em minhas veias, vivo uma vida tranquila, fora de vista, isolado da humanidade. Prometi a mim mesmo, e à minha mãe, que não infectaria vidas inocentes com a escuridão que se revira dentro de mim, esperando para ser revelada. Eu teria mantido a promessa... se Brynn Cadogan não tivesse surgido na minha vida. Agora, eu vivo entre o céu e o inferno: apaixonado por uma mulher que quer me amar, enquanto tudo ao meu redor me faz lembrar de que preciso permanecer... Sem amor.
Bom dia, leitores do Acordei com Vontade de Ler. Conforme anunciamos recentemente, nós nos tornamos parceiros da Editora Charme e para a nossa primeira solicitação pedimos o livro "Sem Amor" da autora Katy Regnery, que tem sido muito elogiado. Espero que todos vocês curtam bastante essa nova parceria e que venham nos contar o que acharam do livro ;)

"Sem amor" é narrado em primeira pessoa pelos protagonistas Cassidy (Cass) e Brynn, duas pessoas que por motivos diferentes estão despedaçadas emocionalmente. Cass teve uma infância muito difícil, que vai sendo apresentada ao leitor logo no início. Seu pai, Paul Isaac Porter, era um caminhoneiro que passava menos de uma semana por mês com a família. Esses poucos dias eram o motivo de comemoração de sua mãe Rosie, que sempre se arrumava mais e ficava feliz quando o marido estava em casa. Mas, quando Cass tinha apenas oito anos de idade, a polícia apareceu em sua porta e prendeu Paul, sob a acusação de inúmeros assassinatos e violência sexual contra suas vítimas. 
"À altura do meu oitavo aniversário, eu deveria ter passado menos de cem dias com meu pai. Em toda a minha vida. Meu oitavo aniversário. Por acaso, ele estava em casa neste dia. Era o último antes de ele pegar a estrada novamente. Também foi o dia em que a polícia do Maine bateu em nossa porta para levá-lo preso." (p. 22-23)
Morando em uma cidade pequena, Cass e Rosie foram hostilizados, sofreram bullying e Cass começou a carregar o peso de ser "o filho de Paul". Todos começaram a encará-lo como um próximo serial killer, como se fosse apenas uma questão de tempo até ele se tornar igual ao seu pai. Então, Rosie decide ir morar com o pai, que vive em uma cabana isolada na floresta, em Piscataquis, norte do Maine. 
"- Você me ouviu? Ninguém te quer aqui, assassino.

...
- Ninguém quer esse seu sangue contaminado por aqui.
...
- Ninguém quer ficar olhando para você e lembrando de quem seu pai foi e o que ele fez." (p. 34)
A cabana do avô Cleary é praticamente auto sustentável e poucas foram as vezes que Cass saiu do local. Ele foi ensinado em casa, e seu avô e sua mãe sempre ressaltaram a importância dele "ser bom". Apesar de amarem o garoto, fica claro que ambos tem receio de que Cass tenha herdado geneticamente a maldade do pai.
"- Você acha que eu tenho má índole, vovô?

...
- Você é filho de Paul, Cassidy.
- Mas eu sou eu - insisto -, não sou ele!" (p. 51)
Vale a pena ressaltar que a genética é um tema abordado no livro, onde o próprio Cass debate sobre a possibilidade de carregar o mal em seus genes. É uma discussão que hoje em dia é até mesmo usada em julgamentos, onde se alega que o indivíduo pode não ter escolha ou controle dos seus atos por carregar determinado gene.
"- Cassidy é filho dele, senhora.Filho dele.Sou o filho de um homem que um repórter chamou de "o mais sangrento assassino em série que o estado do Maine já conheceu"." (p. 36)
Então Cass vive uma vida solitária carregando um fardo grande demais. Os anos se passam e Cass está com 27 anos de idade, sozinho na cabana. Os dias são uma rotina sem fim, onde seus únicos amigos são os animais locais, até que um dia, caminhando pela floresta, ele avista uma mulher em perigo.
Brynn é uma mulher de quase 30 anos de idade que trabalha como web designer. Sua história é contada logo no prólogo, onde ela narra a perda de seu noivo, o Jem. A morte de Jem foi abrupta e um choque tão grande para Brynn que até hoje ela não se recuperou. Ela quase não saí de casa, exceto para ir as consultas com a terapeuta. Seu isolamento afastou os amigos e é uma preocupação constante para os seus pais. Sua única companhia é Milo, o gato que Jem escolheu para ela. Jem era um homem que amava o ar livre, acampar e passou boa parte de sua adolescência como guia no Monte Katahdin, o pico mais alto do Maine. Ele sempre dizia que lá era onde sua alma vivia, até ter sido entregue à Brynn. 
"Katahdin, nome dados pelos Nativos Americanos, significa "a maior montanha", e para Jem nada poderia estar mais próximo da verdade". (p. 27)
Quando Brynn decide que precisa se despedir de Jem e começar a viver novamente, decide fazer uma trilha no Monte Katahdin. Durante a trilha, algumas situações perigosas ocorrem e a protagonista acaba sendo resgatada por Cass. Cass sabe que se chegar na cidade com uma mulher ferida e verificarem a história de seu pai, tudo o que irão fazer é acusá-lo, então decide levá-la até a cabana para que ela se cure.
A interação entre os dois é tão dolorosa inicialmente. Cass tem tanto medo de ser julgado que se distancia ao máximo de Brynn, mas a mocinha não enxerga maldade nele e sim uma generosidade sem igual. E ela também enxerga uma conexão com outra pessoa, algo que ela não tem há muito tempo.
Não tem como descrever a história desses dois. É algo tão real, tão doloroso de se ler. Imaginem não ter contato humano, um abraço, um aperto de mão ou até mesmo um simples sorriso por anos? Ser criado com amor, mas com ressalvas?
O livro fala sobre o amor, sobre redenção e segundas chances e traz para os leitores protagonistas vulneráveis e um enredo diferenciado. A forma como a autora Katy Regnery criou os diálogos, os pensamentos mais íntimos de Cass e Brynn é simplesmente arrebatador.
"Ela é ar. É água. Sorrisos e suspiros suaves enquanto adormece em meus braços. Ela é calor. Ela é promessa e esperança. Ela é normalidade e companhia, meu talismã temporário contra a solidão. Ela se move como o ar ou a escuridão, me cercando, dentro de mim, do mundo e, ainda assim, pertencendo íntima e particularmente a mim. Ela é tudo que eu quero, mas não posso ter, algo mais e mais necessário à minha sobrevivência, o que significa que deixá-la ir irá me destruir." (p. 229)
A Editora Charme realizou um ótimo trabalho de revisão, diagramação e layout. A capa é texturizada e existem detalhes internos que enriquecem ainda mais o enredo.
"- Dizer adeus não significa esquecer. Seguir em frente não significa que você nunca o amou." (p. 44)

Para comprar o livro pela Amazon, acesse: https://amzn.to/2teueUH

Para comprar o livro pelo site da Editora Charme, acesse: clique aqui

16 comentários

  1. Oi, Carolina. Bom dia!

    Ao meu ver, é um livro que tem muito a oferecer, por a autora trabalhar em cima desse drama e receio do personagem perante todos.

    Adoro um livro com uma boa dose de redenção, pois incrementa mais o romance em si e todo o contexto da história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daiane, tudo bem?
      Eu achei uma temática bem diferente e a leitura fluiu muito bem.
      Definitivamente é uma obra de redenção ;)
      Bjkas

      Excluir
  2. Oi Carol.
    Parabéns pela nova parceria.
    Não leio muitos livros da editora, não por não gostar dos títulos, mas por outros livros sempre passarem na frente rs
    Gostei bastante da premissa de Sem amor. Cass carrega um fardo bem grande e essa questão de poder ter os genes da "maldade" herdados do pai é algo a se pensar.
    Até pode ser que haja uma pequena influência dos genes, mas acredito que a pessoa pode ser boa se assim desejar e conseguir discernir o bem do mal.
    Mais um para a lista de desejados.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pamela, tudo bem? Obrigada, ficamos muito felizes em sermos selecionados.
      Eu achei a premissa desse livro bem diferente e foi isso que me atraiu quando o solicitei. Consegui imaginar Cass e o vi como um garotinho triste, que sofreu a vida inteira por alguém que não tinha controle, apenas por ser "filho do pai dele".
      Bjkas

      Excluir
  3. Uau que resenha em!!! Eu to louca na premissa desse livro, achei essa história muito boa e acredito que ela é muito tocante e triste ao mesmo tempo. Creio que vou chorar um pouquinho fazendo essa leitura. Eu acho que o Cass não tem esses genes do pai e a Brynn vai ajudá-lo a enxergar isso. Quero ler pra ontem!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luana, tudo bem?
      É uma leitura realmente emocionante! Espero que leia e venha nos contar a sua opinião.
      Bjkas

      Excluir
  4. Olá! Esse livro esta na minha lista, ele parece ser bem intenso e emocionante, imagino como deve ter sido difícil para Cass viver com esses julgamentos, e o fato de ter um criminoso como pai, e Brynn, perder o amor de sua vida de uma maneira tão trágica, os dois realmente devem ter um relacionamento extremamente tocante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Elizete, tudo bem?
      Nossa, são duas situações bem difíceis mesmo. Diferentes, mas tocantes.
      Bjkas

      Excluir
  5. Carol!
    Agora quem diz sou eu: obrigada por me apresentar esse livro.
    Nossa! Quão sofrido deve ser viver anos isolados, sem conversar com ningué e ainda ter o estigma da genética paterna sobre ele.
    E ela, encontra a redenção justamente nos braços de uma pessoa totalmente improvável.
    Apesar de ser um livro dolorido, deve ser maravilhosa a leitura.
    “Nunca sei se quero descansar porque estou realmente cansada, ou se quero descansar para desistir. “ (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudy, tudo bem?
      De nada rs...
      Realmente foi uma história bem sofrida. Espero que leia e venha nos contar a sua opinião.
      Bjkas

      Excluir
  6. Ola!
    Nossa que história triste e bem intrigante. É muito ruim quando o filho leva nas costas as coisas que o pai fez é algo muito horrível. A trama é bem envolvente, tem uma ótima premissa é me deixou bem curiosa em ler.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lily, tudo bem?
      É terrível mesmo pagar pelos pecados de outra pessoa. Imagine ser desprezado por isso a vida inteira?
      Bjkas

      Excluir
  7. A história Conseguiu mexer comigo por ter esse ar melancólico e triste porém não é algo que eu queira ler no momento acho que estou procurando mais por um livro de fantasia ou de terror vou deixar esse romance de lado por hora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carolina, tudo bem?
      Quem sabe as próximas resenhas sejam mais do seu gosto?
      Bjkas

      Excluir
  8. Olá, Carol
    Parabéns pela parceria, tenho certeza que será um sucesso.
    Me diz como não se apaixonar por esse livro, é a primeira resenha que leio e estou encantada. Quero muito ler esse livro.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luana, tudo bem?
      Obrigada. Estamos torcendo para que seja uma longa parceria ;)
      É um livro lindo mesmo, bem emocionante.
      Bjkas

      Excluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.