Resenha Nacional O Rastro da Alma - Alexandre Apolca


Sinopse - “Clarice” acorda dentro de uma caçamba de lixo, sem saber sequer o seu nome. E o mais estranho: está no ano de 2040, em uma São Paulo decadente. Enquanto começa uma desesperada busca para descobrir a si mesma, ela tenta se adaptar a esse estranho mundo cercado de avanços tecnológicos e retrocessos humanitários. Sua obsessão em encontrar uma maneira de voltar à sua época não a impede de mergulhar de cabeça nessa aventura. Em meio a esses mergulhos, ela encontra pessoas que fizeram parte de sua misteriosa história – que poderá ser modificada tanto para melhor quanto para pior. Mas, muitas vezes, o esquecimento é melhor do que a verdade nua e crua. Por um capricho do destino, ela acaba conhecendo o enigmático Elvis e o seu fiel companheiro Kurt, um gato que consegue ser ainda mais enigmático. E esse encontro, aparentemente corriqueiro, poderá marcá-la profundamente. Vivendo no limite entre ser a caça e a caçadora, ela vai se redescobrindo no futuro ao mesmo tempo em que o passado vai sendo destilado até que tudo se torne uma coisa só: o presente. Como todo bom thriller, não faltarão reviravoltas, perseguições e um psicopata à solta. O Rastro da Alma fala sobre assassinatos, violência e paixão. Um livro que invade, sem pedir licença, o território do noir. Uma história eletrizante com um toque de distopia e sadismo. Tudo isso separado por uma linha tênue entre o futuro, o passado e o presente...
"O Rastro da Alma" é narrado em terceira pessoa e gira em torno de "Clarice".Clarice é uma jovem que aparenta estar com uns dezoito anos de idade que acorda em uma caçamba de lixo sem memória alguma. Assustada e perdida, ela se depara com estranhos que começam a persegui-la e é resgatada por Elvis Macedo, um jovem que acaba se tornando o seu pilar e a pessoa que irá explicar esse estranho mundo para a protagonista. Estranho porque Clarice sente em seu amago que está no futuro, mesmo sem saber explicar o motivo dessa certeza. E enquanto ela começa a compreender o que está acontecendo, uma jornada árdua se inicia...
"Com os olhos cerrados, ela viu o apresentador anunciar que o Sul registrara o primeiro ciclone de 2040..." (p. 15)
Como o enredo não se desenvolve de forma linear, o leitor precisa ficar atento aos detalhes e ir montando em sua mente essa São Paulo distópica. Em relação a esse novo universo, o enredo poderia ter sido um pouco mais trabalhado. Quando ouvimos o termo "distopia" esperamos a construção de um mundo detalhado e diferente e nesse livro, talvez por ele ser curto (menos de 200 páginas) faltaram elementos descritivos para que o leitor consiga se ambientar. Outro detalhe que vale a pena ressaltar é que há inúmeras reviravoltas e subtramas, mas que também poderiam ter sido mais desenvolvidas. Em alguns momentos dá a impressão de que acontece uma coisa atrás da outra.
Um dos destaques do livro é a forma como o autor debate a condição humana. Nós observamos uma São Paulo caótica, cheia de mudanças físicas e sociais e o ser humano, ao invés de se unir, em sua maior parte torna-se ainda mais violento. Temos políticas cruéis, como a proibição da gravidez, a inserção da guarda especial e a coibição da liberdade.
O enredo como um todo é impactante. Temos cenas de muita violência e situações cruéis, o que torna a leitura densa. Para contrabalancear, o autor insere detalhes culturais, referências e citações que dão certa leveza para os assuntos mais séries debatidos no obra (como por exemplo, o gato se chamar Kurt Cobain e um dos personagens se chamar Elvis).
Clarice é uma personagem complexa, pois o não saber por parte dela, a torna misteriosa e sua personalidade vai alternando. Em determinado momento é corajosa, em outro temerosa, curiosa e apática e assim vai.


Para comprar o livro pela Amazon, acesse: https://amzn.to/2Mj5sip





Confiram as resenhas de outros livros do autor no blog, assim como sua entrevista de 2012:
* Rockfeller
Sobre o autor: ALEXANDRE APOLCA nasceu em 1985, em Porangaba, interior de São Paulo. Após morar em Campinas, radicou-se em Tatuí. Formou-se em Química Industrial pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Trabalhou por doze anos em indústrias, com passagens por Cosan, Santista e Coca-Cola. Também foi consultor imobiliário, promotor de vendas e supervisor censuário. É autor de três livros, incluindo Rockfeller, que já figurou na lista dos e-books mais baixados da Amazon e já foi traduzido para o espanhol. Também participou de antologias poéticas no Brasil e em Portugal.
Para maiores informações/compra:
*LIVRO RECEBIDO EM PARCERIA COM O AUTOR

8 comentários

  1. Oi Carol.
    Eu adoro o gênero distopia, mas uma história com menos de 200 páginas é um pouco difícil desenvolver bem as tramas e situar o leitor em relação aos conflitos desse novo mundo criado pelo autor.
    Fiquei interessada em ler o livro, pois se passa em São Paulo e não li muitas histórias que se passassem nessa cidade que gosto tanto.
    Talvez eu dê uma chance ao livro.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Carol!
    Não conhecia o autor, nem a obra, mas fiquei bem interessaada por conhecer essa São Paulo distópica que comentou.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Li esse livro, amei onde a história foi ambientada, entretanto essa parte de uma SP futurista acho que só foi um complemento pois claramente o foco do livro não era uma distopia. Vi como trama principal o suspense sobre a vida da personagem,a parte q menos gostei foram as cenas violentas.

    ResponderExcluir
  4. Mas essa questão da violência atinge a sensibilidade do leitor, e pra minha foi muito incômodo.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Carol.
    Achei a ideia central bem interessante, mas infelizmente não é o tipo de leitura que estou procurando no momento. Ando com muita preguiça de experimentar novos autores... É uma fase e sei que passa, então vou anotar a dica para outra hora!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  6. Olá! Mais um autor nacional que eu ainda não conhecia, mas que já entrou na minha lista, achei o enredo do livro bem interessante, uma pena que a história acabe se tornando um pouco corrida.

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia o autor e nem o livro, mas gosto bastante de distopias e achei interessante saber mais sobre essa São Paulo no futuro.
    Mas creio que menos 200 páginas seja muito pouco para se tratar de um futuro e com um enredo mais rico.

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Tem uma ótima premissa o livro, fiquei bastante curiosa pela trama é esse mistério que envolve o livro me encantou.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos e/ou preconceituosos não serão aceitos.

Obrigado por visitar e comentar.